Suspeitos de matar PM com tiros pelas costas são presos em Bertioga

Maurício Solon estava sem farda no dia do crime e foi morto após tentar fugir de quadrilha que cometeu assalto

Comentar
Compartilhar
26 AGO 2019Por LG Rodrigues13h03
Maurício Solon atuava como policial militar em Bertioga e foi morto a tiros em 2018Foto: Reprodução/Google Street View

Agentes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos cumpriram na manhã desta segunda-feira (26) os mandados de prisão temporária de dois homens suspeitos de envolvimento na morte do policial militar Maurício Solon. A vítima foi assassinada a tiros em dezembro do ano passado, em Bertioga.

Os policias contaram com o apoio da Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo (Divisão PM Vítima) para efetuar as prisões. Thiago Dorival Segantini, de 34 anos e Ruben Moreira Viana, de 28 anos, são suspeitos de integrar a quadrilha que alvejou Maurício durante um assalto. No dia 6 deste mês, Cicero Eli da Silva, de 32 anos, também foi preso durante investigações da DIG de Santos.

De acordo com as autoridades, a Polícia Civil segue realizando diligências para encontrar e prender o restante da quadrilha. A vítima foi morta a tiros no dia 10 de dezembro de 2018 logo depois de ser surpreendida pela ação de assaltantes armados e encapuzados nas proximidades de uma agência bancária localizada perto da Avenida Anchieta em uma região próxima da parte central do município.

De folga no dia do crime, Maurício estava sem farda e acompanhava um homem que iria realizar um depósito bancário quando notou a ação do grupo que estava em um carro prata estacionado na mesma avenida.

Imagens de câmeras de monitoramento captaram o momento em que o homicídio ocorreu. O vídeo divulgado à época mostra que Maurício foi baleado pelas costas segundos após perceber a aproximação dos criminosos. Em um primeiro momento, todos os assaltantes saem do mesmo carro juntos. Em seguida, dois indivíduos se separam do restante do grupo e andam na direção da vítima antes de anunciar o assalto. Ao perceber que eles estão armados, o PM tentou correr, mas foi alvejado enquanto fugia e caiu.

Um policial aposentado também foi abordado durante a mesma ação e agredido pela quadrilha. O automóvel usado pelos criminosos no dia do crime foi localizado horas após o homicídio. Durante o trabalho de perícia, os profissionais da Polícia Civil conseguiram encontrar diversas impressões digitais no interior do carro. Em informação registrada no boletim de ocorrência à época, os suspeitos também conseguiram fugir com a quantia de R$ 100 mil.

OPERAÇÃO.

Estes não são os primeiros suspeitos de estar envolvidos na morte do policial em Bertioga que foram presos em 2019. Em maio deste ano, uma operação realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e o Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar (Baep) resultou na prisão de outros dois homens.

Inicialmente criada para combater o tráfico de drogas, a operação movimentou 70 policiais com o objetivo de combater a venda de entorpecentes na região de Guarujá e Bertioga. Os dois indivíduos detidos têm ligação com uma facção que atua dentro e fora dos presídios de São Paulo. Ambos estão diretamente ligados ao grupo responsável pelo assassinato de Maurício e também com o sequestro de um jovem de 21 anos ocorrido na região pouco antes das prisões terem sido efetuadas pelas autoridades. Na época, os trabalhos do Gaeco e do Baep também resultaram na apreensão de drogas e armas.

Colunas

Contraponto