Banner gripe

SP: operação apura exploração sexual e trabalho escravo de transexuais

Foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão em Ribeirão Preto

Comentar
Compartilhar
13 MAR 2019Por Agência Brasil10h40
A investigação começou com a denúncia de duas vítimas que conseguiram fugir dos locais onde eram exploradasFoto: Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF), a Polícia Federal e o Ministério Público do Trabalho (MPT) deflagraram hoje (13) a Operação Cinderela na região de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, para investigar a exploração sexual e trabalho escravo envolvendo jovens transexuais.

A 5ª Vara Federal de Ribeirão Preto determinou a prisão preventiva de 10 pessoas e o cumprimento de 18 mandados de busca e apreensão, todos na cidade de Ribeirão Preto. Os denunciados poderão responder pelos crimes de tráfico de pessoas, redução à condição análoga à de escravo, rufianismo e organização criminosa.

A investigação começou com a denúncia de duas vítimas que conseguiram fugir dos locais onde eram exploradas. Segundo depoimentos, as jovens transexuais eram trazidas de outros estados, principalmente do Norte e Nordeste, para se prostituir na região.

Trocas

Em troca, era prometido às jovens a promessa de transformação do corpo, hospedagem e alimentação. As vítimas chegavam endividadas, em razão das passagens e despesas de viagem adiantadas pelos investigados, e eram obrigadas a consumir drogas, exploradas sexualmente e empregadas no mercado do sexo, onde havia uma divisão territorial de atuação de cada aliciador.

Aquelas que não conseguiam pagar as dívidas ou que desrespeitavam as regras da “casa” eram julgadas em um “tribunal do crime” e punidas com castigos físicos, morais e multas pecuniárias, além de terem os seus pertences subtraídos.

Há registros de suicídios em virtude das pressões sofridas pelas vítimas, desaparecimentos, aplicações de castigos físicos com pedaços de madeira com pregos e homicídios, tudo decorrente da cobrança de dívidas.

Prisão

Um dos investigados cuja prisão preventiva foi determinada pela Justiça Federal já estava preso em razão de outro processo criminal e é investigado sobre dois homicídios e o desaparecimento de três transexuais, uma delas adolescente.

Colunas

Contraponto