Prefeitura de Ilhabela cancela aluguel de R$ 1,5 milhão em cabines de higienização

Administração diz que procedimento foi cancelado em função da flexibilização da quarentena proposta pelo governo do Estado de São Paulo

Comentar
Compartilhar
29 MAI 2020Por Mara Cirino17h18
Cabine instalada anteriormente em São SebastiãoFoto: Divulgação/PMSS

Após repercussão negativa, a Prefeitura de Ilhabela, no Litoral Norte paulista, cancelou o aluguel de sete cabines sanitárias pelo valor total de R$ 1.502.358,03. A licitação foi vencida pela mesma empresa que forneceu duas cabines, gratuitamente, para a Prefeitura de São Sebastião. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária não reconhece a efetividade de túneis ou cabines de desinfecção contra o novo coronavírus (Covid-19). 

Em nota oficial, a Prefeitura informou que o procedimento foi cancelado em função da flexibilização da quarentena proposta pelo governo do Estado de São Paulo, com anúncio da retomada do funcionamento do comércio. 

Ainda de acordo com a prefeitura, isso ocorreu, também, devido à frequente necessidade de análise e reestruturação do planejamento das ações de enfrentamento à pandemia. “Portanto, o processo de contratação, defendido por parte da população, foi suspenso e não faz parte das medidas efetivas atuais do município”, conclui a nota.

A licitação foi vencida pela empresa Neobrax para fornecimento de serviços e locação de cabines sanitárias, incluído produtos sanitizantes, promotores, contador digital, vigilantes e seguro por danos, furto, vandalismo e acidentes.

Conforme a empresa, fabricante dos sais da clorexidina usado em São Sebastião, a substância é um sanitizante e a concentração utilizada na cidade e? de 0,2%.

Em relação à funcionalidade da cabine e os produtos usados, a Anvisa esclareceu que não tem produtos saneantes regulamentados para tal uso e que esses equipamentos não são objeto de regulação.