X

Itanhaém 492 anos

Ernesto Bechelli fala sobre as festas tradicionais de Itanhaém

Bechelli destaca a importância de manter as festas tradicionais religiosas que já são parte da história da Cidade

Nayara Martins

Publicado em 22/04/2024 às 07:20

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

De família italiana, Bechelli conta que os seus pais e parentes vieram da Itália / Divulgação - Prefeitura Itanhaém

O professor, psicólogo e diácono Ernesto Bechelli, de 66 anos, fala sobre a sua forte ligação com Itanhaém. Ele destaca a importância em manter as festa tradicionais religiosas, que já fazem parte da história de Itanhaém. A Cidade completa 492 anos nesta segunda-feira (22).

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

De família italiana, Bechelli conta que os seus pais e parentes vieram da Itália como imigrantes e trabalharam, no início, na estação de trem Pai Matias, no sentido Interior, como lenhadores. 

Na década de 1950, em função da carência de madeira e questões ambientais, eles se deslocaram e foram trabalhar na região do ABC. Apenas os seus pais decidiram morar e trabalhar em São Vicente. 

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Mais tarde, eles receberam uma proposta para trabalhar na Comape – uma mercearia que era montada em um vagão, na estação Ferroviária em Itanhaém, em 1955, onde oferecia produtos básicos e mais baratos à população. 

“No início, eles moraram na casa de dona Zulmirinha Gatto e seu esposo Manoel Gatto. Alguns anos depois, eles compraram uma das casas do casal, na avenida Rui Barbosa, no centro, e montaram uma mercearia para vender alimentos”, conta. 

Ernesto Bechelli nasceu em casa com uma parteira, no ano de 1958, em Itanhaém. Sua família era católica e sempre participou das festas religiosas da Cidade. 

Ele acompanhava todas as festas tradicionais, como a Festa do Divino, a da Padroeira Nossa Senhora da Conceição e do Reisado de Itanhaém, desde criança. 

“Sempre recebemos o grupo do Reisado de Itanhaém em casa. Na época, a maior parte era formado por homens e os músicos tocavam os instrumentos de sopro. Com o tempo, o grupo começou a ter a participação de crianças e mulheres”. 

E como participa do Reisado desde 1975, no próximo ano, ele vai completar 50 anos de Reisado na Cidade.

Com a morte de alguns integrantes mais antigos, como o Bubuca e o memoralista José Rosendo, Bechelli começou a reestruturar o grupo do Reisado, em 1989.

“Decidimos introduzir a Bandeira e alguns instrumentos de percussão, além dos três personagens representando os Reis Magos e que, hoje, são formados por mulheres”, destaca.

Festa do Divino

Bechelli relembra ainda a Festa do Divino realizada em tempos antigos. Na época alguns rituais eram realizados na casa de dona Zulmirinha, entre as décadas de 1960 e 1970. A Festa do Divino é Pentecostes, período que ocorre 50 dias após a Páscoa, na liturgia católica. 

O momento mais marcante, segundo Bechelli, foi em 1975, quando ele foi o Imperador. “A partir daí, a Festa começou a ter um significado diferente e tive uma participação mais efetiva”, explica. 

Em 2005, foi montada a Aprodivino – Associação Pró-Festa do Divino de Itanhaém, com o objetivo de dar apoio e se tornar um canal entre os festeiros e a prefeitura de Itanhaém.

“Nossa intenção era de preservar a tradição, orientar os festeiros e reeditar a Folia do Divino – que hoje passa com as bandeiras nas casas, em dez bairros da Cidade e percorre cerca de 700 casas. A Folia, antigamente, era feita na parte rural, visitando as casas dos moradores nas fazendas”.

A Folia do Divino também ajuda a arrecadar doações, em dinheiro, feitas por moradores para colaborar com os festeiros.

Na opinião de Bechelli, é fundamental preservar as festas tradicionais da Cidade. 

“Itanhaém está crescendo, mas infelizmente, muitas pessoas não conhecem a Festa do Divino. Ainda preservamos o núcleo de pessoas antigas que são poucas. É muito importante que seja mais conhecida pela população”, ressalta.

Para ele, o momento mais marcante é a “Erguida do Mastro”, na abertura dos festejos, além de outros rituais.

“Os mais antigos estão partindo, como a dona Therezinha Gatto, uma das referências que faleceu no mês de fevereiro. Nossa geração é que deve manter a tradição”, completa.

Identidade Cultural

Para Bechelli, que já atuou como diretor de Cultura no final da década de 90, Itanhaém apesar de completar 492 anos, ainda precisa crescer e oferecer melhor condição de vida à população.

“Um ganho para a Cidade seria explorar esse lado das tradições culturais. O que falta em Itanhaém é ter uma identidade cultural, já que é uma cidade litorânea e ainda tem a sua cultura caiçara. Não basta apenas oferecer as praias como atrativo turístico”, conclui.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Suspeitos de lavagem de dinheiro para o PCC são presos em Praia Grande

Segundo investigações, o trio comandava um esquema de fraudes para lavar dinheiro do tráfico de drogas, utilizando imóveis e contas em bancos digitais

Esportes

O futebol continua! Veja os campeonatos que não terão paralisação

Times gaúchos estão envolvidos nos principais torneio do futebol brasil

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter