X
Esportes

Robinho é oferecido, comissão técnica aprova, mas São Paulo não se anima

Há alguns fatores que entram na análise tricolor pelo negócio, como o alto salário de Robinho e a receptividade da torcida

Robinho é mal visto por boa parte dos torcedores são-paulinos pelas provocações ao longo dos anos, como a famosa frase "sempre deito no São Paulo" / Rafael Ribeiro/CBF/Fotos Públicas

Na busca por reforços de peso para compensar as saídas de Hernanes e Lucas Pratto, o São Paulo recebeu a sugestão de apostar em Robinho, sem clube desde que deixou o Atlético-MG em dezembro. O nome foi aprovado pela comissão técnica, que trabalhou com o jogador no Santos em duas ocasiões, mas a diretoria ainda não se convenceu de que vale a pena investir nessa contratação.

Há alguns fatores que entram na análise tricolor pelo negócio, como o alto salário de Robinho e a receptividade da torcida. O atacante é mal visto por boa parte dos torcedores são-paulinos pelas provocações ao longo dos anos, como a famosa frase "sempre deito no São Paulo".

Além disso, o fato do jogador ter sido condenado na Itália por violência sexual também fez com que os torcedores tricolores se manifestassem nas redes sociais de forma contrária à eventual chegada do jogador, desde que o "Yahoo!" publicou a possibilidade do negócio.

No último domingo, o São Paulo fechou a contratação de Diego Souza, que estava no Sport. Dois dias antes, o diretor-executivo de futebol Raí disse que não comentaria mais nomes ou estágios das negociações, mas admitiu que "todos ficariam felizes" caso o clube contasse com o meia Gustavo Scarpa e o atacante Marinho.
Robinho ainda está na mira do Santos. O presidente recém-eleito José Carlos Peres admitiu o interesse no ídolo, mas também fez ressalvas quanto à condenação por violência sexual na Itália.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Tragédia

Homem de 23 anos morre afogado ao tentar buscar bola de futebol no mar

Segundo informações do Grupamento de Bombeiros Marítimos (GBMar), o afogamento aconteceu na Praia Preta

Política

Bolsonaro blinda orçamento secreto e sanciona fundo eleitoral de R$ 4,96 bilhões

O governo ainda manteve intocadas as chamadas emendas de relator, instrumento usado por congressistas aliados para irrigar seus redutos eleitorais com verba federal

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software