Leonardo diz que Robinho ajudou em sua volta e lamenta saída em 2005

Reserva no Ituano durante o último Campeonato Paulista, o zagueiro chega para compor um grupo que ele conhece bem

Comentar
Compartilhar
18 MAI 201521h23

Muitos se surpreenderam a contratação repentina do zagueiro Leonardo, de 29 anos. Nesta segunda-feira, o jogador foi apresentado oficialmente e admitiu que Robinho, seu companheiro na campanha do título Brasileiro de 2004 pelo Peixe, influenciou no seu retorno à Vila Belmiro, com contrato válido até dezembro de 2016.

"Estou feliz em voltar para minha segunda casa. Espero fazer melhor que em outras passagens. Tínhamos iniciado uma conversa, devem ter conversado com o Robinho e ajudou também. Tenho certeza que o pessoal tinha avaliado antes de iniciar qualquer tipo de conversa comigo", contou, antes de resumir brevemente suas lembranças com a camisa santista.

"Aqui, cheguei em 2000. Tive por seleção de base, mundial sub-17. Foi o mais importante. No sub-20, ficamos em terceiro. No profissional, campeão brasileiro (em 2004). Em 2007, campeão paulista", descreveu.

Reserva no Ituano durante o último Campeonato Paulista, Leonardo chega para compor um grupo que ele conhece bem. “Sobre o Robinho, a gente mantém amizade, conversamos bastante. Isso ajuda, porque já conheço o perfil de seis companheiros. Não só Elano, Robinho, Renato, mas o Victor...vamos conhecendo pelos clubes que passamos. Fica mais fácil para ser recebido”, explicou.

Leonardo deixou o Peixe em 2005, por causa de uma proposta tentadora do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. O zagueiro também atuou por empréstimo em clubes como São Caetano, Vasco, Grêmio Prudente, Avaí e Atlético-GO. Hoje, de volta ao Santos, o atleta admite que talvez desse um rumo diferente para sua carreira.

"Para mim, o tempo que fiquei fora serviu de experiência. Tive um contrato longo com o Shakhtar, encerrou em 2014. Atrapalhou o seguimento da carreira, dificulta para negociar. Muitas vezes, vim em condições que não eram esperadas", disse.

"Acho que pela estrutura que clubes oferecem, com certeza optaria por ficar mais tempo. Queria dar futuro para minha família, crescer, casar, ter filhos. Foi a escolha que tive. Não vou dizer arrependimento, o que conquistei para a família foi gratificante. Mas hoje ficaria no Santos, que é clube com visibilidade tremenda, para dar continuidade aqui. Qualquer um gostaria de ficar muito tempo e fazer história no Santos", encerrou.