"Cabeça boa", Centurión começa a se soltar e volta a ser decisivo

Embora não seja especialista em cabeceios, o meia-atacante argentino quase fez outro gol dessa forma diante do Cruzeiro

Comentar
Compartilhar
07 MAI 201514h24

O gol de Ricky Centurión na vitória por 1 a 0 sobre o Cruzeiro, na quarta-feira, foi o seu terceiro com a camisa do São Paulo. O terceiro de cabeça, o segundo decisivo para um resultado positivo na Copa Libertadores. Gols que lhe dão confiança e o ajudam a superar a timidez e a dificuldade de adaptação ao Brasil.

"Estou muito contente e feliz pelo gol, porque mostra que estamos fazendo bem as coisas", disse o jogador, no Morumbi, ao final da primeira partida das oitavas de final do torneio continental. "Sinceramente, não sou treinado em cabeçadas, é algo que flui, na intuição das jogadas".

Embora não seja especialista em cabeceios, o meia-atacante argentino quase fez outro gol dessa forma diante do Cruzeiro. Além do tento anotado aos 37 minutos do segundo tempo, ele poderia ter balançado a rede logo no primeiro minuto da partida não fosse uma difícil defesa do goleiro Fábio no canto esquerdo baixo.

O atacante argentino Ricky Centurión anotou o gol da vitória do São Paulo sobre o Cruzeiro, pelas oitavas da Libertadores (Foto: Rubens Chiri/www.saopaulofc.net)

"Na última, deu certo e fiquei muito contente por isso", festejou o jogador, titular apenas porque Michel Bastos contraiu dengue e foi vetado pelo departamento médico. "Lamento por ele, uma pessoa bárbara, que me ajuda muito nos treinos e conversa comigo. Estamos todos com ele. Coube a mim entrar em seu lugar, e fizemos tudo da melhor maneira", disse.

Não é só Michel Bastos quem conversa com ele. Alexandre Pato é outro colega que tenta ajudá-lo em sua ambientação. Na terça-feira, inclusive, o atacante elogiou sua humildade, revelou que, às vezes, falam em italiano – Centurión também jogou na Itália - e previu que o argentino seria o destaque no Morumbi. Como de fato foi. Milton Cruz, no entanto, pede cautela com o meia-atacante.

"Tem que ter paciência. É um jogador que está se adaptando aos costumes do país, está se entrosando, está se soltando mais. Procuro falar bastante com ele, falo um pouquinho espanhol. Conversei bastante que esse jogo seria importante para ele. Ele tem demonstrado nos treinamentos sua qualidade. Hoje (quarta-feira), jogou muito bem. Aos pouquinhos, vai ganhando confiança, se adaptando ao clube, ao esquema de jogo", falou o treinador.