Focus piora estimativa de superávit comercial em 2013

Pelo documento, o saldo comercial será de US$ 1,90 bilhão, e não mais de US$ 1,97 bilhão, conforme apontava a mediana do levantamento anterior

Comentar
Compartilhar
04 NOV 201312h19

Analistas do mercado financeiro reduziram ainda mais um pouco as projeções para o resultado da balança comercial no fechamento deste ano, conforme demonstrou o relatório Focus divulgado nesta segunda-feira, 4, pelo Banco Central. Pelo documento, o saldo comercial será de US$ 1,90 bilhão, e não mais de US$ 1,97 bilhão, conforme apontava a mediana do levantamento anterior. Um mês atrás, a perspectiva era de um superávit de US$ 2 bilhões para o comércio internacional brasileiro. Já para 2014, o mercado está demonstrou um pouco mais de humor, elevando a mediana esperada para o saldo passando de US$ 8,50 bilhões para US$ 9,25 bilhões.

Apesar da melhora, o resultado esperado pelos analistas agora é exatamente o que era visto um mês antes. A previsão mediana para o rombo da conta corrente seguiu em US$ 79 bilhões para este ano, mesma vista também há um mês. Para 2014, houve redução da previsão de déficit, com a mediana saindo de US$ 73,35 bilhões para US$ 72,70 bilhões. Quatro semanas atrás, a mediana revelava um resultado negativo de US$ 77 bilhões.

Apesar da piora do quadro externo, foi mantida a projeção de que o ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) será de US$ 60 bilhões neste e no próximo ano, o que significa que o financiamento do déficit não será integral desta vez. Há 47 semanas, o mercado não muda esta projeção de IED para 2013 e há 64 semanas para o de 2014.

Já relação dívida/PIB ficou estacionada em 34,50% tanto para 2013 quanto para o final do ano que vem, segundo os analistas consultados pela Focus. Um mês antes, o mercado já aguardava esta proporção para o resultado deste ano, mas previa uma variação de 34,30% para o final de 2014.

Analistas do mercado financeiro reduziram ainda mais um pouco as projeções para o resultado da balança comercial no fechamento deste ano, conforme demonstrou o relatório Focus (Foto: Divulgação)