Governo SP

Sesc Santos recebe o pianista José Eduardo Martins

O pianista interpreta composições selecionadas por ele e que sintetizam o valor da obra de Henrique Oswald

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2019Por Da Reportagem13h40
O show de lançamento acontece no dia 15 de junho, às 20hFoto: Evelson de Freitas

Com foco na revitalização da memória da música brasileira e de seus protagonistas, o Selo Sesc lança o CD O Romantismo de Henrique Oswald com peças para piano e violino e para piano solo. Todas foram selecionadas e são interpretadas pelo pianista e estudioso das obras de Oswald, José Eduardo Martins.  As faixas de piano e violino têm participação do  violinista  belga Paul Klinck. O show de lançamento acontece no dia 15 de junho, às 20h, no Sesc Santos. Também ocorrerão shows no Sesc Carmo (18) e no Sesc São José dos Campos (22).

O pianista estuda a trajetória de Henrique Oswald desde 1978. Em sua análise, o compositor teria sido deixado de lado num período de exacerbação nacionalista e valorização de músicos que cultivaram elementos de brasilidade nas composições. De forma fundamentalmente europeia e cosmopolita, Oswald foi reconhecido em terra estrangeira, inscrevendo sua obra no romantismo vigente, sem traços de ruptura estética de músicos a ele contemporâneos.

José Eduardo Martins explica a concepção deste CD consagrado ao mais importante compositor romântico brasileiro. "Primeiramente, temos algumas das obras para violino e piano, como por exemplo, a Sonata op. 36 em Mi, considerada uma  das mais  significativas sonatas do período em termos mundiais. Em piano solo, o álbum traz, por exemplo a peça En Rêve. Composição idílica e  dedicada à aluna e admiradora Leozinha Magalhães, primeira biógrafa do compositor."

Henrique Oswald

Henrique Oswald (1852-1931) nasceu no Rio de Janeiro, filho de  pai suíço-alemão e de mãe italiana. Viveu a infância e a adolescência em São Paulo, partindo com a mãe para Florença, onde estudou e viveu durante décadas. Em 1902 recebeu o primeiro prêmio por sua composição Il Neige, láurea recebida do jornal "Le Figaro" em Paris, em concurso em que concorreram 647 peças de autores de todo o mundo. Após breves viagens ao Brasil, retornou definitivamente ao país em 1903, onde inicialmente dirigiu o Instituto Nacional de Música do Rio de Janeiro. Sua obra abrange vários gêneros: sinfônico,  camerístico, coral, operístico e, sobretudo, piano solo.

José Eduardo Martins

Em São Paulo, esstudou com o professor russo José Kliass. Posteriormente aperfeiçoou-se em Paris com Marguerite Long, Jean Doyen e Louis Saguer. Como pianista apresentou a integral para piano de Debussy, Moussorgsky, Francisco de Lacerda e para teclado de Rameau, entre outras. Realizou a primeira audição de cerca de 200 obras contemporâneas para piano. José Eduardo Martins gravou 24 CDs para os selos Labor (USA), Portugaler and PortugalSom (Portugal), Esolem (France) e especialmente De Rode Pomp, na Bélgica. É autor de vários livros publicados no Brasil, Portugal (Universidade de Coimbra) e França (Universidade Sorbonne). Doutor Honoris Causa pela Universidade Constantin Brancusi da Romênia, Martins é Membro Honorário da Academia Brasileira de Música. Em Bruxelas recebeu a Ordem do Rio Branco do Governo do Brasil, assim como a Ordem da Coroa, condecoração outorgada pelo Rei Alberto II da Bélgica. José Eduardo Martins também é professor titular aposentado da Universidade de São Paulo.

Colunas

Contraponto