São Vicente terá audiência para adesão à escola cívico-militar

Todo o processo de instalação é feito de forma democrática. É necessário que os pais, professores e toda comunidade escolar aprovem, por meio de votação, a adesão

Comentar
Compartilhar
06 ABR 2021Por Da Reportagem18h02
Coimbra é presidente da Frente Parlamentar pela Implementação das Escolas Cívico-militares no Estado de São PauloCoimbra é presidente da Frente Parlamentar pela Implementação das Escolas Cívico-militares no Estado de São PauloFoto: DIVULGAÇÃO

São Vicente avança no processo de implantação da escola cívico-militar. No dia 5 de maio, o deputado estadual Tenente Coimbra (PSL/SP) participará da audiência pública virtual para esclarecer dúvidas da comunidade para adesão da Escola Jorge Bierrenbach Senra ao modelo. O debate será realizado na página da escola no Facebook, às 20h. “É o momento de apresentar o andamento do projeto, tirar dúvidas e conversar com os pais dos alunos, mas todo mundo que apoia o modelo no Estado pode acompanhar a live”, afirma o parlamentar.

Coimbra, que é presidente da Frente Parlamentar pela Implementação das Escolas Cívico-militares no Estado de São Paulo, teve sancionada no último dia 31 a lei de sua autoria que permite a expansão do modelo para as escolas estaduais.

Tenente Coimbra já articulou a implementação de nove unidades nos municípios de São Vicente, Santos, Guarujá, Taubaté, Bauru, Pirassununga, Barrinha, Taquaritinga e Sorocaba. “Para 2022 indicamos outras cidades, como São Paulo, Praia Grande Guarulhos, Lins e Miracatu. A intenção é espalhar o modelo de melhoria de ensino para o maior número possível de municípios”, completa.

Coimbra diz que todo o processo de instalação é feito de forma democrática e que é necessário que os pais, professores e toda comunidade escolar aprovem, por meio de votação, a adesão. “Essa é uma das formas de melhorar a qualidade da educação pública no Estado, por isso, é importante a participação na audiência de todos que apoiam o modelo”, diz.

Nas escolas cívico-militares, os professores continuam responsáveis por ministrar as aulas e por toda parte pedagógica. Os militares cuidarão apenas da parte administrativa e disciplinar dos estudantes.