Prefeitura garante acesso às praias do Rabo do Dragão, em Guarujá

Condomínios de luxo são alvo de Força Tarefa. A questão vem sendo denunciada pelo Diário do Litoral desde 2012

Comentar
Compartilhar
17 MAR 2019Por Carlos Ratton08h54
Força Tarefa esteve fiscalizando os condomínios de luxo do Rabo do Dragão para garantir o acesso de cidadãos às praiasFoto: Divulgação

Após quase dois anos da recomendação do Ministério Público Federal (MPF), a Prefeitura de Guarujá resolveu, definitivamente, fiscalizar o acesso de cidadãos às praias cercadas pelos condomínios de luxo da Cidade - Taguaíba, Iporanga, São Pedro e Tijucopava - localizadas na região do Rabo do Dragão. A questão vem sendo denunciada pelo Diário do Litoral desde 2012, ano em que uma série de reportagens alertando sobre as restrições impostas pelos loteamentos foi selecionada para a final do 57° Prêmio Esso de Jornalismo, o principal da categoria em todo o País.

No último dia 9, uma Força Tarefa, formada por fiscais, guardas municipais, além do ouvidor e diretor de Transparência e Controle, Renato Cardoso, esteve na região alertando os condomínios quanto a reclamações recebidas por frequentadores em função das dificuldades de acessar as praias. "A maioria das reclamações é em relação à demora em conseguir entrar de carro. Na praia do Iporanga, por exemplo, existem 108 vagas e, normalmente, o número de carros para adentrar é muito maior do que a capacidade do estacionamento. Novas ações da Força-Tarefa ocorrerão em outras áreas", afirma Cardoso.

O diretor confirmou à Reportagem, na última quinta-feira (14), que a iniciativa também procurou atender uma recomendação do MPF, para que o Município garanta o acesso livre de qualquer cidadão às praias. "O acesso tem que ser garantido a qualquer pessoa. Criamos até um canal de comunicação - telefone 162 ou 0800 773 7000 - para receber informações. O acesso de carro é restrito por conta do número reduzido de vagas de estacionamento, mas a pé, de bicicleta, enfim, o acesso é livre, não existe limitação", esclarece Cardoso.

A informação do diretor é ratificada pela diretora da Guarda Municipal, Valéria Amorim. "Qualquer um pode usufruir das praias localizadas nas áreas dos condomínios. Eventualmente, se o condomínio não cumprir com a determinação, uma declaração será enviada ao MP para que tomem as devidas providências", afirma.

Polêmica

A polêmica em torno do cerceamento às praias do Rabo do Dragão já se arrasta há anos e vem se agravando por conta do regramento imposto pela administração dos loteamentos. A Prefeitura não só vinha sendo questionada pelo MPF (que esteve fazendo uma fiscalização uma semana antes da Força Tarefa), mas também pela Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e pela Câmara de Guarujá. Todos são a favor da abertura dos acessos para que qualquer cidadão tenha o direito de usufruir do bem comum, que é a praia.

O MPF chegou a dar prazo à Prefeitura, principalmente após um hoteleiro ter sido proibido, com um grupo de agentes turísticos, de acessar a Praia do Iporanga. O procurador da República no Estado de São Paulo, Thiago Lacerda Nobre, recomendou que a Prefeitura fiscalizasse os condomínios para que eles não impedissem o acesso da comunidade às praias e ao mar.

Nobre recomendou, ainda, a criação de um órgão municipal responsável por receber reclamações da população referentes a conflitos relacionados ao acesso às praias - determinação já cumprida pela Administração por intermédio da Ouvidoria. O MPF quer a garantia de preservação sem, contudo, impedir o acesso da comunidade local.

Vale lembrar que a Justiça de São Paulo determinou a retirada de placas ou barreiras que proibiam o acesso de banhistas em geral também à praia do Sorocotuba. Os moradores entraram com recurso, que foi negado pela Justiça. O Ministério Público (MP) já investigava denúncias de que funcionários dos condomínios que cercam o local estavam proibindo a frequência à praia, alegando que ela se tratava de uma propriedade particular.

Na Câmara

A vereadora Andressa Salles (PSB) ingressou com um projeto para facilitar o acesso. Queria que os condomínios informassem, através de painéis, o número de vagas disponibilizadas para o estacionamento, suas ocupações e o tempo médio de espera. Também propôs vedação de revistas (inspeções) aos veículos, iniciativa bastante utilizada ilegalmente pelas administrações. A proposta não se tornou lei.

Na fila

Este ano, o Diário apontou outro problema causado pelas restrições às praias do Rabo do Dragão. O acúmulo de veículos na faixa de rolamento na Rodovia Ariovaldo Almeida Vianna (SP-61) por conta da fila para acessar as praias. A situação obrigava motoristas a usarem a contramão para chegar à balsa que faz a travessia Guarujá-Bertioga.

A Polícia Rodoviária teve que ser acionada para evitar acidentes e acabar com congestionamentos, formados em função da espera da autorização da portaria dos loteamentos.

A situação também colocava em risco a vida de famílias inteiras que moram nas duas margens do Canal de Bertioga, e impedia que ônibus das linhas regulares de transporte público cumprissem o itinerário, prejudicando a rotina de dezenas de trabalhadores.

Colunas

Contraponto