Praça da Paz, na Zona Noroeste, está em obras

Equipamento vai se tornar um complexo esportivo e cultural no bairro Castelo. Secretário-adjunto Nilson Barreiro diz que pasta vai cumprir prazo anunciado pelo prefeito

Comentar
Compartilhar
27 MAR 201410h23

Dentro de oito meses, a Praça da Paz Universal, na Zona Noroeste, deve dar lugar a um complexo esportivo e cultural. O prazo foi anunciado ontem durante a cerimônia de início das obras no local, realizada pelo prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, que comandou uma retroescavadeira para marcar o ato.

A estimativa para o término das obras é concluir um mês antes do prazo previsto no cronograma organizado pela própria secretaria municipal de Infraestrutura e Edificações. “O prazo, na verdade, seria de nove meses, mas o prefeito anunciou oito (meses), então nós vamos cumprir”, garantiu o secretário-adjunto da pasta, Nilson Barreiro, que acompanhava a cerimônia de início das obras.

Entre as mudanças com a reforma, a praça passará a contar com pista de skate, quadra de areia em tamanho oficial para vôlei de praia, pista de cooper, salas multiuso, cineteatro (capacidade para 125 lugares), entre outros equipamentos. “Sempre foi um projeto nosso de descentralizar os equipamentos culturais, para que a cultura possa ir onde a população está. E essa é uma região da cidade que tem essa carência”, disse Paulo Alexandre, referindo-se à Zona Noroeste.

O projeto, que segundo o prefeito existe desde 2009, vai sair do papel por causa de um convênio com o Ministério da Cultura, que vai repassar ao Município R$ 3,5 milhões. No entanto, com o projeto parado por quase cinco anos, a Prefeitura vai ter que desembolsar mais R$ 600 mil para adequações. “Como a gente precisou fazer adequações no projeto, acabou ampliando o valor utilizado, aumentaram os custos, o que exigiu uma contrapartida da Prefeitura”, explicou Paulo Alexandre.

Prefeito de Santos dá início às obras em ato simbólico (Foto: Matheus Tagé/DL)

Além disso, o projeto deve ainda ser ampliado, para contemplar a totalidade do equipamento, o que deve custar à Prefeitura mais R$ 600 mil. “Nós pretendemos ampliar o projeto e vamos acabar assumindo esses custos, por volta de R$ 1,2 milhão”, disse o prefeito.