População do Jardim Mosteiro, em Itanhaém, espera há 16 anos pelo fim das enchentes

Há cerca de 16 anos os moradores convivem com o problema no bairro causado pelas chuvas e alta das marés

Comentar
Compartilhar
02 AGO 2019Por Nayara Martins07h25
Moradores sofrem prejuízos com as constantes enchentesFoto: Nair Bueno/DL

Moradores cobram uma solução para os constantes alagamentos que ocorrem em dias de chuva, no bairro Jardim Mosteiro, próximo à região central de Itanhaém. Há cerca de 16 anos eles convivem com o problema devido às chuvas fortes, o que fica ainda pior quando coincide com os períodos de maré alta e a água não tem como escoar.

De acordo com o morador e comerciante Aparecido Elias de Oliveira, 62 anos, há cerca de 16 anos na rua José Simões Neves, o problema é endêmico e já causou muitas preocupações e prejuízos aos moradores.

"Existe um antigo canal de águas pluviais que sai da rua Cuba, passa na José Simões Neves e vai sair na avenida Marginal da rodovia, mas já está assoreado e obstruído. A Prefeitura não tem como ter acesso a esse canal porque alguns moradores já construíram as suas residências em cima", esclareceu.

Na rua Cuba existe ainda uma creche e uma escola de Educação Infantil da rede municipal de ensino, que também são atingidas pelos alagamentos em dias de chuvas, segundo o morador.

Conforme o morador, a prefeitura já tem conhecimento do problema, mas ainda não tomou as devidas providências para solucioná-lo. Ele conta que já fez diversas reclamações nos setores municipais de Obras e de Urbanização e Serviços, desde o ano de 2015.

Aparecido de Oliveira explica que quando ocorrem as chuvas fortes e a maré alta, os alagamentos ficam bem piores, pois as águas chegam a entrar nas residências. Segundo ele, o caminhão Hidrojato do município já esteve no local, mas não conseguiu solucionar o problema, pois não tem o alcance de toda a extensão do canal até a avenida Marginal.

A esposa do morador lembrou ainda que, há três anos, quando estava em tratamento com a radioterapia, em Santos, ela tinha que sair com a água no joelho devido aos alagamentos.

"Nós, os moradores do bairro, precisamos de uma solução para desobstruir esse canal e ficarmos livre das enchentes", salientou Aparecido de Oliveira.

Sem escoamento

Diversos moradores também já sofreram prejuízos com as enchentes. Um deles é o aposentado Rubens Sbrama, 84 anos. Residindo na mesma rua há cerca de cinco anos, ele afirma que a área do Jardim Mosteiro está localizada em uma região baixa do município. "Qualquer chuva mais forte já enfrentamos este problema de alagamento, mas o que agrava a situação é a água não ter por onde escoar", frisou Sbrama.

Também o médico aposentado Renê Rolando Arcos, morador na rua José Simões Neves, já reclamou diversas vezes na prefeitura. "Acredito que ao menos a limpeza das ruas e as obras de drenagem para o escoamento das águas são de competência da Administração municipal. Estamos aguardando uma solução", completou.

Outro lado

De acordo com a Administração, a secretaria municipal de Serviços e Urbanização deve enviar uma equipe no local para verificar o problema. A secretaria afirma ainda que precisa fazer um levantamento para apurar se já existe algum projeto que possa solucionar essa situação no bairro.

Colunas

Contraponto