Paulo Alexandre Barbosa anuncia novo PS Central

Unidade será erguida em outro local e deve ficar pronta em 2014. Hospital, que fica ao lado da Santa Casa, vem recebendo seguidas reformas ao longo dos anos

Comentar
Compartilhar
29 NOV 201321h11

Santos terá um novo Pronto-Socorro Central em 2014. O atual será readaptado para receber outra unidade da Saúde.

O prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) fará o anúncio nos próximos dias e só não antecipou detalhes do projeto porque pretende dar as informações completas de como será a nova unidade quando estiver reunido com representantes da outra parte de uma parceria já firmada pela Administração Municipal.

O local da nova Unidade de Pronto Atendimento (UPA) será perto da atual (Avenida Cláudio Luís da Costa, 280, no Jabaquara) — o endereço ainda não foi revelado. A nova unidade terá a mesma capacidade de atendimento do PS Central, de 700 a 1 mil por dia, a maior marca entre as unidades municipais de Saúde. “A estrutura, porém, será totalmente moderna”.

O custo do empreendimento e a forma como será feita a parceria ainda são mantidos em segredo.

Barbosa vinha se mostrando insatisfeito com as condições do PS Central desde que assumiu o Governo. A unidade funciona em um imóvel da Santa Casa, com projeto elaborado há cerca de 40 anos, cedido para a Prefeitura.

“O PS vinha recebendo reformas e ajudas que não atenderam o padrão de qualidade exigido para Santos”, comentou o prefeito.

PS Central é considerado ultrapassado (Foto: Matheus Tagé/DL)

Policlínicas

Além do PS Central, a Prefeitura está finalizando as obras de construção das policlínicas do Marapé (a ser entregue em dezembro) e do Monte Serrat (prevista para março).

Ambulâncias

Ao lado do secretário de Saúde, Marcos Calvo, o prefeito inspecionou ontem as quatro novas ambulâncias que atenderam o Samu (192). Um dos veículos conta com tração nas quatro rodas e escapamento na parte alta dianteira para poder circular em terrenos ingrimes e até em ruas e avenidas alagadas.

Também foi entregue uma moto para o Serviço Samu. Mas ela só vai ser usada quando a Prefeitura adquirir outra porque, segundo explicou Marcos Calvo, o tipo de atendimento feito com esse tipo de veículo  tem de ser feito em dupla.

A moto será usada por um técnico em Enfermagem que fará o atendimento mais urgente ao paciente e estará repassando seus dados para profissionais de uma ambulância, enquanto este outro socorro não chega.

As ambulâncias e a moto foram compradas pelo Ministério da Saúde e repassadas à Prefeitura.

Com as quatro novas ambulâncias, Santos passa a contar com dez veículos para atender emergências. Segundo Calvo, com dez veículos “Santos fica em uma situação confortável. O Ministério da Saúde recomenda uma ambulância por cada grupo de 100 mil moradores, mas esse número é considerado muito baixo”.

Outras sete ambulâncias são usadas exclusivamente para transporte de paciente entre unidades (como pronto-socorro e hospitais).

Tempo padrão

Na avaliação do secretário de Saúde, com os novos veículos Santos tem mais chance de se enquadrar no padrão internacional de atendimento de emergência — de dez minutos até chegar até o paciente. Hoje, o tempo médio em Santos é de 16 minutos. “Mas é ainda uma questão bem difícil devido às características de Santos e ao seu trânsito”.