Obra da Unesp que consumiu R$ 35 milhões está abandonada

Construção do Centro de Estudos Avançados do Mar da Universidade Estadual Paulista está tomada pelo mato.

Comentar
Compartilhar
24 NOV 2019Por Rafaella Martinez09h24
Apenas um cachorro fica na portaria do empreendimento.Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

O mato tomou conta dos muros e a ferrugem já corrói as cercas de arame farpado e a caixa de luz onde deveria estar em pleno funcionamento um moderno Centro de Estudos Avançados do Mar da Universidade Estadual Paulista, em São Vicente. Apesar da assessoria afirmar que o equipamento está ativo, a reportagem do Diário encontrou apenas abandono na obra que já consumiu mais de R$ 35 milhões dos cofres públicos e foi um dos principais alvos, nesse semestre, da CPI das Universidades Públicas da Assembleia Legislativa do Estado.

Anunciada com entusiasmo em meados de 2009 pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e o então prefeito de São Vicente, Tércio Garcia, a instalação do equipamento demorou sete anos para funcionar de forma parcial.

Crédito: Nair Bueno/DL

Equipamento teve aporte de R$ 25 milhões, oriundos do Ministério da Ciência e mais R$ 10 milhões vindos da própria Unesp.

O equipamento, instalado na Avenida Francisco Bensdorf, na Cidade Náutica, teve aporte de R$ 25 milhões, oriundos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e mais R$ 10 milhões vindos da própria Unesp. Para a instalação, a universidade contou também com a doação de um terreno de mais de quase 4 mil metros quadrados pela Prefeitura Municipal de São Vicente.

A ideia inicial era que o espaço abrigasse laboratórios e reunisse especialistas, tendo como foco de estudo as áreas de pré-sal e meio ambiente.

Um placa instalada na frente do portão permanentemente fechado do equipamento anuncia o aporte de mais R$ 129 mil para a adequação das instalações elétricas. No entanto, nenhuma movimentação ou obra foi percebida no local durante a visita da reportagem.

Crédito: Nair Bueno/DL

Além do mato, diversos pontos de ferrugem ocupam o espaço.

Em nota, a assessoria de imprensa da Universidade Estadual Paulista afirma que o IEAMar (Instituto de Estudos Avançados do Mar) na Unesp está funcionando. O instituto não se limita ao prédio a que se refere a reportagem. As atividades de pesquisa mais intensas ocorrem em outro prédio localizado em São Vicente e em um polo localizado em São José dos Campos.

"Atualmente, cerca de 60 projetos estão sendo desenvolvidos no IEAMar, nos polos de São Vicente e São José dos Campos, em parceria entre pesquisadores da Unesp e de outras universidades", destaca a nota encaminhada.

Sobre o prédio, apesar do aparente abandono evidenciado nas fotos que acompanham essa reportagem do Diário, a universidade afirma que o mesmo "não está fechado, mas sim passa por reformas, que estão na fase final. O aporte de recursos está sendo usado para adequações de estruturas elétricas, já realizadas, e hidráulicas, em realização".

Situação entrou no foco de CPI na Alesp

A situação do prédio, bem como outros problemas relacionados com a gestão das universidades públicas de São Paulo foram foco de uma CPI na Assembleia Legislativa. Um dos sub-relatores da CPI, o deputado Kenny Mendes considera que o grupo conseguiu avanços práticos. "A intenção da CPI foi examinar a real situação das nossas universidades, ouvir seus responsáveis e apontar sugestões para uma gestão mais moderna e eficiente. USP, Unicamp e Unesp são um patrimônio do Estado e o foco sempre foi encontrar caminhos para aperfeiçoar seu andamento", destaca.

O deputado - que não pôde participar da votação do relatório final por conta de um congestionamento no Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) - afirmou que enquanto sub-relator responsável pelo item 'Transparência' havia submetido meu relatório à CPI com 15 dias de antecedência.

"Minha missão era analisar a situação das universidades e oferecer propostas de melhorias. Um ponto urgente: é necessário que os sites e portais na internet das três universidades passem a divulgar todos os dados econômico-administrativos do dia a dia das instituições, o que por ora não vem sendo atendido. Em respeito à Lei de Acesso à Informação (2011), deveríamos ter disponíveis para consulta, por exemplo, os vencimentos e subsídios recebidos por ocupantes de cargo e funcionários, incluindo auxílios e ajudas de custo; dados sobre procedimentos licitatórios; e, ainda, o acompanhamento de ações", destaca.