Guarujá é favorável à implantação do Sistema Hidroviário Metropolitano

Estudo foi apresentado em reunião do Condesb nesta terça-feira (26), em Santos

Comentar
Compartilhar
28 AGO 201411h49

A 178ª reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana Baixada Santista (Condesb), que aconteceu nesta terça-feira (26), em Santos, contou com a participação do diretor do Departamento Hidroviário da Secretaria de Estado de Logística e Transporte, Casemiro Tércio, que apresentou o início dos trabalhos para a implantação do modal hidroviário nos municípios de Bertioga, Cubatão, Guarujá, Praia Grande, Santos e São Vicente.

Tércio afirmou que, neste primeiro momento, o Departamento Hidroviário vai fazer um estudo de detalhes técnicos que precisam ser levantados como: as rotas mínimas, a frequência de embarque, o tipo de embarcação e também a tarifa máxima ao passageiro. “O objetivo é criar um sistema garantindo conforto e rapidez à população da Baixada Santista. Também é importante lembrar que o sistema hidroviário precisará ser interligado com outros modais como o VLT e o transporte municipal e intermunicipal de ônibus”, explicou.

(Foto: Divulgação/PMG)

Ainda de acordo com o diretor, o resultado de levantamentos deve ser apresentado em 10 meses e o sistema poderá entrar em funcionamento em 2018.

Para a prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito, o projeto é favorável e estratégico para a Região. “Cada cidade precisa se envolver nesse estudo que vai integrar os municípios da Baixada Santista. Fiquei muito satisfeita com o que vi e me coloquei à disposição no que for necessário. Estamos muito próximos de concretizar um sonho antigo das nove cidades da Região Metropolitana”, disse a chefe do Executivo .

O desenvolvimento técnico do projeto será realizado ao redor de quatro temas principais: navegabilidade das vias, estudo de demanda, embarcações e terminais e modelagem financeira do negócio. A fase 1 é iniciada com amplo diagnóstico do que já existe sobre os temas e com o diálogo entre os principais participantes do processo. Termina quando os temas mais técnicos estiverem bastante avançados e a modelagem de negócios em estágio preliminar.

A fase 2 visa cobrir as lacunas de informações existentes e refinar o que já foi gerado, detalhar as modelagens de negócios e financeira efetivas para os principais interessados, públicos e privados do projeto.

O Sistema Hidroviário Metropolitano tem como objetivo equacionar a utilização em vias navegáveis para o transporte de passageiros considerando os canais. A Baixada Santista tem 200 quilômetros de malha navegável.

Moção

O Condesb aprovou duas moções que serão encaminhadas à Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado. A primeira, sugerida pela prefeita Antonieta, tem por objetivo solicitar um aumento no recurso do Governo do Estado ao Fundo de Desenvolvimento Metropolitano que hoje é de R$ 5,5 milhões e passaria a ser de R$ 12,8 milhões a partir de 2015. A outra moção é para a obtenção de recursos para projetos que foram diagnosticados pelo Plano Metropolitano de Desenvolvimento Estratégico.

Participaram da reunião, além da prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito; o diretor-executivo da Agem, Marcelo Bueno; o presidente do Condesb e prefeito de Itanhaém, Marco Aurélio Gomes; a vice-presidente do Condesb, Maria Emília Botelho; o prefeito de Bertioga, Mauro Orlandini; o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa; e representantes das secretarias estaduais. Os municípios de Cubatão, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande e São Vicente estiveram representados por seus suplentes.