Deputado Kenny Mendes continua 'atrelando' verba a voto

Agora, vídeo envolve o candidato à reeleição Márcio Cabeça, em Mongaguá

Comentar
Compartilhar
24 OUT 2020Por Carlos Ratton07h00
Kenny Mendes fez um vídeo atrelando verbas a apoio a Márcio CabeçaFoto: Divulgação

Parece que a denúncia encaminhada ao Ministério Público Eleitoral (MPE) pelo funcionário público estadual Ernesto Donizete da Silva, referente à iniciativa do deputado Kenny Mendes de utilizar as redes sociais para pedir, expressamente, votos para candidatos que apoia em troca de liberação de verbas, não está abalando o parlamentar do Progressistas.

Agora, Kenny resolveu supostamente condicionar emendas à reeleição de Márcio Melo Gomes, o Márcio Cabeça. "Eu preciso de uma coisa. Eu preciso do prefeito Márcio reeleito, né", disse em um vídeo gravado ao lado de Cabeça, atrelando uma verba de R$ 5 milhões, proveniente de suas emendas, à saúde de Mongaguá.

Recentemente, Kenny Mendes fez o mesmo envolvendo a candidata a prefeita de Itanhaém, Cris Forssell. "Tenho recursos reservados no valor de R$ 5 milhões para a saúde de Itanhaém. Mas eu preciso de uma favor da população. Que, no dia 15 de novembro, vote em 19, Cris Forssell para prefeita. Até porque eu preciso de uma pessoa em quem eu possa confiar aqui na Prefeitura para destinar esses recursos, que eu sei que serão muito bem utilizados para a população", disse ao lado da candidata.

Ameaça

Além de não ligar para a denúncia, o deputado ainda ameaça quem discorda de suas práticas nas redes sociais, mesmo que a pessoa revele a fonte de informação. Ontem, a Direção Municipal do Psol de Santos informou que a candidata a vereadora Débora Camilo foi interpelada virtualmente por Kenny.

"Compartilhei nas minhas redes sociais a matéria, muito bem embasada, onde Kenny é denunciado ao MPE. Kenny está tratando dinheiro público como se fosse seu, e chantageando eleitores, usando a liberação de recursos públicos para pedir que votem em sua candidata a prefeita. Isso é criminoso! Ao invés de se explicar, foi em minha página tentar me intimidar. Não aceito isso, vou denunciar sim! Minha história de vida é pautada em lutar e denunciar todos os abusos e como vereadora não aceitarei qualquer tipo de irregularidade e corrupção", afirma Débora Camilo.

Candidato

Candidato a prefeito de Mongaguá, o advogado Renato Carvalho Donato (PSB) não esconde sua indignação. "Isso é chantagem eleitoral e muito prejudicial à democracia. Kenny não foi eleito apenas pelos eleitores do prefeito Márcio Cabeça, mas por outros que moram em Mongaguá. Destinar recursos baseado em apoio político só atrapalha a democracia. Kenny é deputado por São Paulo e não de um grupo A ou B. Condicionar o envio de verba à votação de um determinado candidato é um retrocesso. Esperava mais deste jovem deputado", desabafa.

A denúncia enviada ao MPE é de crime eleitoral. Se o MPE referendá-la e ela se tornar ação, Kenny pode perder o mandato e os candidatos que apoia impugnados. Donizete da Silva alega que Kenny infligiu o artigo 41-A da Lei nº 9.504/97, que impede a doação, oferecimento, promessa ou entrega, ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal, inclusive emprego ou função pública.

Kenny

Ontem, Kenny repetiu o que disse sobre o ocorrido em Itanhaém. "Não há condicionamento, até porque ele já é prefeito". Kenny defende que, como deputado, tem total liberdade para enviar a emenda para onde quiser, amparado pela lei estadual e que pede votos a todos os candidatos e partidos coligados. Sobre Débora Camilo, garante que não houve ameaça: "disse a ela que usar a minha imagem sem autorização para fins eleitorais e, ainda por cima, patrocinar é crime eleitoral. Eu sequer candidato sou".

Procurado, Márcio Cabeça revela que é compreensível que opositores se incomodem com o apoio recebido e que a seriedade do seu trabalho e sua interlocução com os governos Estadual e Federal, que resultaram no apoio de diversos deputados, além de Kenny Mendes.