Corpo de Chorão é velado na Arena Santos

Fãs e amigos do cantor ficaram horas esperando o corpo chegar ao local

Comentar
Compartilhar
07 MAR 201310h22

Por volta das 16 horas desta quarta-feira (6), fãs emocionados cantavam músicas do Charlie Brown Jr. enquanto já esperavam, em frente à Arena Santos, a chegada do corpo do cantor Chorão. O velório do vocalista segue no local até as 15 horas de hoje, quando o espaço será fechado para os últimos momentos da família junto ao vocalista. Depois, às 17 horas, ocorrerá o sepultamento na Memorial Necrópole Ecumênica de Santos. 

De acordo com a empresária da banda, Samanta Jesus, a vontade de Chorão era ser cremado, mas por causa das investigações sobre a morte do cantor, o corpo vai ser sepultado.

O velório foi, inicialmente, reservado à família e depois foi aberto ao público durante toda a madrugada e permanece até a tarde de hoje. Emocionada, Samanta não quis dar entrevistas à imprensa. “Desculpa gente, eu não tive nem tempo de chorar ainda”, disse.

Diferente da empresária, Ingrid Franco não continha a emoção. Amiga de Chorão, ela dizia ainda não acreditar na morte do cantor. “Eu conheço o Chorão das pistas de skate. Desde os meus 13 anos eu o acompanho em shows e outros lugares. Não consigo acreditar que ele morreu, a ficha ainda não caiu”, disse, entre lágrimas.

Último adeus - Caixão com o corpo do cantor chegou a Arena Santos em uma limosine por volta das 23 horas (Foto: Leandro Amaral/ AE)

Ingrid conta que seu último contato com Chorão foi há cerca de três meses. Ela relata que era notório que o cantor passava por problemas, mas não definiu se havia relação com a separação de sua ex-mulher, Graziela Gonçalves. Chorão havia se divorciado em novembro e, desde então, enfrentava depressão.

O skatista Luiz Neguinho, amigo há mais de 30 anos de Chorão, conta que o vocalista do Charlie Brown Jr. havia realmente ficado muito abalado com a separação da ex-mulher, mas ele não confirma que Chorão enfrentava depressão.

Emocionado, Neguinho preferiu falar da amizade que tinha com o cantor ao invés do divórcio. “Ele era um parceiro, sempre ajudava os amigos. E, assim como ele reconhecia meu talento como skatista e surfista, eu reconhecia o grande talento que ele tinha como músico. Perdemos um ícone”.

Chorão foi encontrado em casa

O cantor Alexandre Magno Abrão, o Chorão, de 42 anos, líder da banda Charlie Brown Jr. foi encontrado morto na madrugada de ontem, em seu apartamento na Rua Morás, em Pinheiros, em São Paulo. Ele estava caído, de bruços, próximo da bancada da cozinha. A principal hipótese para a morte é overdose de drogas ou remédios.

No local, foram encontradas garrafas e latas de vinho, cerveja e energético, além de pequena quantidade de uma substância branca que, segundo os policiais, aparenta ser cocaína. A substância estava sobre uma bancada e ao lado de um canudo feito com uma folha de cheque enrolada — usado normalmente para aspirar cocaína. O local estava destruído e sujo.

Cartazes - Chorão Skate Park recebe homenagens (Foto: Matheus Tagé/ DL)

Um laudo conclusivo do Instituto Médico-Legal (IML) sobre o caso deve ser divulgado em 15 dias. A Polícia investiga as circunstâncias da morte. A empresa Time for Fun informou que os ingressos para o show de 6 de abril, no Credicard Hall, em São Paulo, serão reembolsados. O evento marcaria os 20 anos do Charlie Brown Jr.

O futuro da banda é incerto. Com Chorão, ela deixa 11 álbuns e vendeu  5 milhões de discos. Ganhou prêmios Grammys, VMBs e outras inúmeras distinções. Como líder (mais dono que líder) do grupo, Chorão projetou-se como um grande artista do entretenimento, notável fazedor de hits, ao mesmo tempo em que cortejava a imagem do rock star clássico, temperamental e difícil.