Contra praia cheia, Baixada Santista e Litoral Norte terão barreiras e mais fiscalização

As regiões devem apertar a fiscalização para evitar cenas como as vistas no fim de semana passado em Santos e no Rio de Janeiro

Comentar
Compartilhar
02 SET 2020Por Estadão Conteúdo14h07
Em Santos, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) também demonstrou preocupação com o que viu no último final de semanaFoto: Nair Bueno/DL

Cidades do litoral paulista estão reforçando o controle para evitar aglomerações nas praias durante o feriadão de 7 de setembro, que começa no próximo sábado. Em São Sebastião, por exemplo, estão sendo preparadas barreiras sanitárias nos limites com Bertioga e Caraguatatuba, o que também é cogitado por Guarujá. A região deve apertar a fiscalização para evitar cenas como as vistas no fim de semana passado em Santos e no Rio de Janeiro.

"Vamos parar todos os veículos que não tenham placa de São Sebastião, será feita medição de temperatura de motorista e passageiros, desinfecção dos pneus e perguntas sobre a covid-19. Se a pessoa apresentar sintomas, será submetida ao teste. Em caso de resultado positivo, será encaminhada imediatamente a uma unidade de pronto atendimento", afirmou o prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto (PSDB).

Ele se preocupa com aglomerações, principalmente nas praias mais famosas dos bairros de Maresias, Baleia, Juqueí e Camburi. No último fim de semana, havia quase 200 mil pessoas na cidade. "Inverno atípico, com 40 graus, mar em boas condições e céu limpo, fatores que promoveram aglomeração nas praias. A fiscalização não deu conta de todas as 18 praias, que estavam praticamente lotadas", acrescentou o prefeito.

O Plano São Paulo - programa de flexibilização da quarentena - proíbe aglomerações em locais públicos, mas a prerrogativa de liberar o acesso a praias é dos municípios, que devem garantir o cumprimento dos critérios estaduais. Na segunda-feira, o governador João Doria (PSDB) criticou a alta procura pelas praias e cobrou medidas mais restritivas dos prefeitos. Ontem, o governo de São Paulo voltou a ressaltar, em nota, que dialoga com as prefeituras para apoiar as ações no feriado. "O Estado recomenda que as ações sejam efetivas, visando a manutenção da quarentena e a utilização de máscaras", indicou a nota do Palácio dos Bandeirantes.

Em Guarujá, uma reunião do comitê gestor do novo coronavírus do município será realizada e até amanhã deve sair uma decisão sobre adoção ou não de medidas restritivas. O Decreto 13.770, de 10 de julho, permite a permanência nas praias da cidade apenas para caminhada e prática de esporte. No fim de semana, a prefeitura admitiu que houve aglomeração "e centenas de intervenções dos fiscais em faixa de areia".

Em Santos, o prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) também demonstrou preocupação. Por meio de nota, informou que o Conselho de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista (Condesb) discutirá medidas estratégicas ao longo da semana. "A pandemia não acabou. É importante que as pessoas se mantenham conscientes. O distanciamento e as regras de higienização para prevenção continuam. Todos, sem exceção, devem sair de casa cumprindo e respeitando o próximo e a si mesmo", declarou Barbosa.