Comoção marca o sepultamento de Sandra Arantes do Nascimento

O funeral ocorreu por volta das 10 horas de ontem, no Cemitério Memorial Necrópole Ecumênica

Comentar
Compartilhar
11 MAR 201322h10

Comoção e saudade marcaram o sepultamento da vereadora santista Sandra Regina Machado Arantes do Nascimento Felinto. O funeral ocorreu por volta das 10 horas de ontem, no Cemitério Memorial Necrópole Ecumênica.

O corpo de Sandra foi conduzido num carro do Corpo de Bombeiros, do Paço Municipal, onde foi velado, até o cemitério, onde foi recebido com uma salva de palmas dos moradores locais. Parentes, amigos e políticos prestaram a última homenagem à Sandra que há cerca de um ano e meio lutava contra o câncer de mama.

O marido de Sandra, Ozeas Felinto, e a mãe dela, Anísia Machado, chegaram ao Memorial bastante emocionados. Durante a cerimônia religiosa, que durou cerca de 20 minutos, a cunhada de Sandra, Maria Luziane Felinto, passou mal e teve que ser amparada pelos familiares. Ela foi retirada do local. Mara Muniz, uma amiga da vereadora que frequentava a mesma igreja, desmaiou. Ambas foram prontamente atendidas pelo serviço médico local. Mara saiu de ambulância do Memorial.

A cerimônia religiosa foi realizada pelos pastores Paulo Alves Corrêa, da Igreja Assembléia de Deus, e Juarez Torres, da Igreja Batista Projeto Céu. “Nós aprendemos a amar Sandra como filha, como cunhada, como mãe. O céu ganhou e eu espero que possamos ganhar também para irmos onde ela está”, declarou emocionado o cunhado de Sandra Arantes, José Felinto.

José Felinto, que falou em nome de toda a família, não lamentou a ausência de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, mas sim a não aproximação entre pai e filha. “O pai biológico da Sandra perdeu a oportunidade de conhecê-la como nós a conhecemos. Hoje ele não fez falta, mas fez falta em vida, no nascimento, no crescimento dela, no casamento, em vários momentos”, afirmou.     

Em nota, na terça-feira, Pelé comunicou que não compareceria ao enterro porque se sente mal em funerais e que estava muito abalado com a morte da filha. Sandra e Pelé travaram uma batalha na Justiça pelo reconhecimento da paternidade durante anos. O teste de DNA foi feito de forma litigiosa e Sandra enfim pôde acrescentar ao seu nome o sobrenome do pai. 

Sandra Arantes do Nascimento tinha 42 anos e deixa dois filhos: Otávio, de 8 anos, e Gabriel, de 6. Vereadora pela segundo mandato consecutivo, sua principal luta foi pelo direito ao exame gratuito de DNA para pessoas carentes em razão de sua própria história de vida. Projeto de lei de sua autoria foi aprovado tornando-se lei municipal em 2001. Em entrevista coletiva, na terça-feira, Oseas disse que Sandra lutava recentemente para trazer o Hospital do Câncer para Santos.