Câmeras identificarão agressores em Prontos-Socorros do Guarujá

Decisão foi tomada ontem, após reunião de emergência entre Administração e Sindicato dos Funcionários Públicos. Prefeitura adotará vigilância para coibir agressões a servidores

Comentar
Compartilhar
19 MAR 201410h13

Ainda não há data definida, mas a Prefeitura de Guarujá vai instalar câmeras de vídeo monitoramento para fiscalizar e identificar munícipes que agredirem funcionários públicos da saúde, após ficarem insatisfeitos com o atendimento. Além disso, formará uma comissão envolvendo gestores municipais e membros do Sindicato dos Servidores Públicos de Guarujá (Sindserv) para promover medidas conjuntas para evitar novos episódios.

As informações foram repassadas ontem, pela assessoria de imprensa da Prefeitura, após reunião com a direção do Sindserv. Segundo o secretário de Saúde, Daniel Simões, essas medidas têm como objetivo preservar e coibir o surgimento de novas agressões. “Esse tipo de comportamento agressivo é de uma minoria. A conduta é diferente de grande parte da população que busca de atendimento médico”, explica.

A Prefeitura não descarta a possibilidade de terceirização dos serviços. Além de Simões, participaram da reunião, Rui de Paiva (adjunto) os diretores de Urgência e Emergência, Valdir Tamburus, Atenção Básica, Paula Escudeiro, a coordenadora de Urgência e Emergência, Silvana Bussi e a presidente do Sindserv, Márcia Rute Daniel Augusto, que ontem não quis se manifestar sobre a questão. A  Assessoria disse que Rute deve falar com a imprensa somente hoje.

O último episódio envolvendo agressão ocorreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Doutor Matheus Santamaria (Rodoviária). Nos prontos-socorros, segundo o Sindserv, ninguém foi vítima de agressão com armas, mas houve casos de fraturas, hematomas e sangramento.

última agressão a servidor ocorreu na UPA Santamaria (Rodoviária) (Foto: Luiz Torres/DL)

O Sindserv orienta o pessoal a registrar boletim de ocorrência policial (BO) e comunicação de acidente de trabalho (CAT) para providências judiciais posteriores às agressões. Ela quer providências da prefeita Maria Antonieta de Brito (PMDB), das secretarias municipais de saúde e segurança, Polícia Militar, Civil e Câmara.