Bandeira Azul é hasteada pela 10ª vez consecutiva em Guarujá nesta quinta

Cerimônia acontece ao lado do Núcleo de Informações e Educação Ambiental, no Tombo, às 15 horas; para o evento, é esperada a presença do secretário de Estado de Turismo, Vinícius Lummertz

Comentar
Compartilhar
06 NOV 2019Por Da Reportagem20h08
A conquista foi anunciada no mês de setembro, em Copenhagen, na DinamarcaFoto: Divulgação/PMG

Nesta quinta-feira (7), Guarujá hasteará, pela 10ª vez consecutiva, a Bandeira Azul na Praia do Tombo. A cerimônia acontecerá às 15 horas, ao lado do Núcleo de Informações e Educação Ambiental (Avenida Prestes Maia, s/nº) e confirma a qualidade da gestão ambiental do município. É esperada a presença do secretário de Estado de Turismo, Vinícius Lummertz.

A conquista foi anunciada no mês de setembro, em Copenhagen, na Dinamarca, onde o Júri Internacional do Programa Bandeira Azul avaliou os candidatos para a certificação internacional. O título mantém a Praia do Tombo como a mais certificada da América do Sul e a única do Estado de São Paulo com este selo de qualidade.

Para obter a certificação, a Praia cumpriu 33 critérios, sendo aprovada por sua gestão, educação e informação ambiental; qualidade da água, segurança e serviços.

Para o secretário de Meio Ambiente a conquista da décima Bandeira Azul comprova, mais uma vez, a qualidade dos serviços realizados pela Secretaria de Meio Ambiente de Guarujá (Semam). “É um prazer saber que somos uma referência na América do Sul durante uma década. Porém, a Bandeira Azul também é mérito da sociedade, que colabora com a preservação do local”.

A gestão da Praia do Tombo é feita pela Semam, em parceria com algumas secretarias municipais, entre elas a de Operações Urbanas (Seurb), com o envolvimento de moradores da região, ambientalistas e frequentadores da orla.

O programa Bandeira Azul é uma iniciativa da Foundation for Environmental Education (FEE) – Fundação para Educação Ambiental, entidade dinamarquesa, e tem como objetivo a conscientização dos cidadãos e dos seus governantes para a necessidade de proteger o ambiente marinho e costeiro, e incentivar a realização de ações que conduzam à resolução dos conflitos.44