Baixada têm 320 km de faixas exclusivas para ciclistas

A cidade com maior quantidade de ciclovias da Baixada e uma das maiores do País é Praia Grande: com as obras de revitalização de vias no Bairro Antártica, entregues em janeiro, a cidade conta agora com 95,8 km, entre ciclovias e ciclofaixas.

Comentar
Compartilhar
10 FEV 2019Por Rafaella Martinez11h52
As prefeituras da Baixada Santista dispõem de 320 km de vias exclusivas para ciclistas.Foto: DL

A cidade para o ciclista: aliando a prática de uma atividade física e o incentivo ao uso de meios de transportes não poluentes, as prefeituras da Baixada Santista dispõem de 320 km de vias exclusivas para ciclistas. O número corresponde ao total de ciclovias (quando há uma separação física isolando os ciclistas dos demais veículos) e ciclofaixas (trechos sinalizados ou não que representam a rota recomendada aos ciclistas)  existente nas nove cidades da Baixada Santista.

A cidade com maior quantidade de ciclovias da Baixada e uma das maiores do País é Praia Grande: com as obras de revitalização de vias no Bairro Antártica, entregues em janeiro, a cidade conta agora com 95,8 km, entre ciclovias e ciclofaixas. A perspectiva é que nos próximos meses Praia Grande alcance os 100 km.

A Administração Municipal estima que estima que um terço da população possua bicicleta e que a utilize como meio de transporte diário (aproximadamente 100 mil pessoas). Questionada sobre as medidas tomadas para incentivar o uso do modal, a prefeitura destacou que além da constante ampliação no número de vias exclusivas para o uso de ciclistas, Praia Grande ainda instala em diversos equipamentos públicos paraciclos, para o armazenamento das bicicletas. 

Na sequencia aparece Santos, com 47,1 km de vias exclusivas para ciclistas em operação e outros 4,5 em obras. São cerca de 35 mil viagens por dia, sendo que, aproximadamente 4 mil ciclistas/hora chegam na cidade, em especial, nos horários de pico (entre 6h e 9h da manhã), via balsa (Guarujá) e São Vicente (divisa). Na Baixada Santista, estatísticas apontam cerca de 80 a 90 mil viagens/dia.

A Administração afirma que investe continuamente para ampliação da rede de ciclovias e destaca o programa de uso compartilhado de bicicletas, o Bike Santos, que desde a sua implantação, em 2012, registra evolução constante e ultrapassou a marca dos 2,2 milhões de viagens realizadas pelos usuários. 

A Prefeitura de Peruíbe afirma dispor de 40 quilômetros de ciclovias e 20 quilômetros de ciclofaixas, com a previsão de ampliar dentro dos próximos dois anos.  

“Na parte do receptivo temos estruturas como a ‘Juréia bikers’, que hoje congrega uma agência de receptivo para cicloturistas, um hostel e todo suporte aos cicloturistas, recebendo mensalmente cerca de 200 ciclistas. Há também o trabalho de monitores ambientais especialistas em cicloturismo em trilhas e praias”, destaca a nota enviada. 

A Diretoria de Trânsito e Transporte Público de Guarujá informa que o município dispõe atualmente 25.100 metros de extensão cicloviária e 15.900 metros de extensão de ciclofaixas, totalizando 41 quilômetros.  A Cidade possui um Plano de Mobilidade Urbana (Planmob), que visa o melhoramento e a segurança aos meios de transporte utilizados na região, além de estudos com objetivo de aumentar a malha cicloviária.

Bertioga possui cerca de 21 km de ciclovia. Na revisão do Plano de Mobilidade Urbana está previsto o aumento da malha cicloviária da Cidade. Estão em implantação as ciclovias nas orlas do Jardim Rio da Praia, Jardim Vista Linda e Av. Engenheiro Arquiteto Eduardo Correa da Costa, totalizando mais de 4 km.

Mongaguá tem, no total, 18,3 km de vias. A ciclofaixa tem pouco mais de 8 km e está localizada estrategicamente ao longo de grande parte da orla, às margens da Avenida Governador Mario Covas Junior (Avenida do Mar). No momento, a prefeitura trabalha no projeto de ampliação do perímetro entre os bairros Itaóca e Agenor de Campos. Posteriormente, a intenção é estender do Plataforma ao Flórida Mirim, concluindo a interligação entre  as duas divisas do município.

Além disso, o município conta com 9,5 quilômetros de ciclovia na Avenida Monteiro Lobato, principal via do lado morro da cidade, abrangendo desde a região central até a divisa com Itanhaém; e outros 850 metros na Avenida Marina, corredor comercial da região central.

De acordo com a Companhia Municipal de Trânsito (CMT), Cubatão conta hoje com 14,8 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas espalhadas pela Cidade, atendendo diariamente 13 mil ciclistas (segundo a pesquisa de origem e destino realizada pela EMTU em 2012). Atualmente está em fase de estudo um plano de expansão das ciclovias e ciclofaixas da Cidade. De acordo com o planejamento, até 2026 Cubatão deverá ter 43,25 quilômetros de ciclovias. 

A Prefeitura de São Vicente informa que a Cidade possui 12 quilômetros entre ciclovias e ciclofaixas, distribuídas entre a Área Insular e a Área Continental. A estimativa é de que, por dia, cerca de 100 mil pessoas usem bicicletas como meio de transporte ou para lazer. A Prefeitura informa, ainda, que está elaborando projeto para a implantação de uma nova ciclovia de 1,2 quilômetro na Cidade, que atenderá à demanda de ciclistas que transitam da divisa entre São Vicente e Santos até a Linha Amarela, passando principalmente pela Linha Vermelha (Avenida Monteiro Lobato). 

Atualmente, Itanhaém dispõe de 10 quilômetros de ciclovia e ciclofaixas espalhadas pelo Município. A intenção é que as rotas sejam ampliadas com mais 15 quilômetros de extensão.

Colunas

Contraponto