Alckmin diz que polícia está preparada para jogos em São Paulo

Segundo o governador, os procedimentos deverão ser os mesmos usados durante o primeiro jogo, que seu governo analisa como de bom êxito

Comentar
Compartilhar
16 JUN 201420h14

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta segunda-feira, 16, que a polícia paulista está preparada para agir em casos de distúrbios durante os próximos jogos da Copa em São Paulo. A polícia tem o chamado Batalhão da Copa, então, está preparada para atuar da melhor forma possível. Então, não haverá problema", afirmou.

Segundo Alckmin, os procedimentos deverão ser os mesmos usados durante o primeiro jogo, que seu governo analisa como de bom êxito. "Foi um sucesso. O transporte para Arena Corinthians, de trem e metrô, foi um sucesso, funcionou perfeitamente. Transportamos 20 mil passageiros pela CTPM e 50 mil pelo Metrô", comentou.

Sobre os protestos, Alckmin disse que serão respeitadas, se forem pacíficas. "As manifestações não têm nenhum problema, o que não pode é ter depredação,vandalismo. fechar a Radial Leste, impedir as pessoas de ter acesso ao metrô. Isso não vamos permitir", afirmou. "Se não houver depredação não haverá problema", completou.

Geraldo Alckmin afirmou que a polícia está preparada para jogos da Copa em São Paulo (Foto: Agência Brasil)

Justiça do Trabalho

Alckmin se disse revoltado com a decisão da Justiça do Trabalho de multar o Metrô por ter demitido 42 grevistas. "Isso é uma barbaridade, um absurdo, punir o Metrô porque ele cumpriu uma determinação judicial", afirmou o governador. Ele afirmou que o Metrô deu os aumentos acima dos sugeridos pelo tribunal e que os grevistas não voltaram ao trabalho mesmo depois de o movimento ter sido declarado ilegal pela própria Justiça.

"Eles mantiveram a greve mesmo depois da decisão da Justiça considerando o movimento abusivo. E como não retornaram ao trabalho, o Metrô os demitiu, cumprindo determinação do tribunal", comentou Alckmin. "Foram demitidos 42 que não retornaram ao trabalho mesmo com a greve ilegal e abusiva. Mas ao invés de o Ministério do Trabalho respaldar o Metrô, que respeitou a lei e cumpriu determinação judicial, ele multa o Metrô. Só no Brasil mesmo", afirmou o tucano. Segundo ele, o governo vai recorrer da multa.