Alckmin cita jejum do Corinthians para sair de saia-justa

O diretor da divisão de cardiologia clínica do Incor, Roberto Kalil Filho, disse que "aquele Incor que estava na UTI" até 2010 "já passou pela reabilitação"

Comentar
Compartilhar
18 OUT 201321h22

Ao enaltecer a recuperação financeira do Instituto do Coração nos últimos anos, o diretor da divisão de cardiologia clínica do Incor, Roberto Kalil Filho, acabou colocando nesta sexta-feira, 18, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), numa saia-justa ontem, durante na inauguração de um centro de pesquisa e da nova biblioteca do local.

Kalil Filho disse que "aquele Incor que estava na UTI" até 2010 "já passou pela reabilitação" e "em 2014 poderá correr uma maratona", lembrando do período em que a Fundação Zerbini, mantenedora do instituto, acumulou R$ 250 milhões de dívidas, deixou de pagar funcionários e esteve perto de suspender atendimentos de alta complexidade e o pronto-socorro em 2006.

Ocorre que o período em questão coincide com o segundo mandato de Alckmin à frente do governo paulista (2003 a 2006). Na época, o diretor executivo do Incor era o atual secretário estadual da Saúde, David Uip. Ao pegar o microfone para discursar, o governador apelou para o futebol para minimizar a crise.

"Eu queria dizer ao Kalil, ao David Uip e ao Fábio Jatene (presidente do Conselho Diretor do instituto), todos santistas, que essa história de crise no Incor, isso aí tudo, é coisa do passado. Isso faz muito, muito tempo. É coisa do tempo que o Corinthians fazia gol", disse Alckmin, torcedor do time da Vila Belmiro.

Geraldo Alckmin apelou para o futebol para minimizar a crise (Foto: Divulgação)