Lava Jato denuncia ex-diretores da Dersa por lavagem de dinheiro

De acordo com procuradores da República que integram a Força-Tarefa da Lava Jato em São Paulo, os denunciados 'praticaram atos de lavagem de capitais em contas mantidas na Suíça'

Comentar
Compartilhar
29 SET 2020Por Gazeta de S. Paulo17h04
Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa, foi um dos denunciadosFoto: Agência Brasil

Nesta terça-feira (29), o Ministério Público Federal (MPF) denunciou Paulo Vieira de Souza e Mário Rodrigues Júnior, ex-diretores da estatal paulista Dersa, por lavagem de US$ 10,8 milhões (mais de R$ 60 milhões) em propinas recebidas no âmbito de obras viárias realizadas nas gestões de Geraldo Alckmin (2001 a 2006) e José Serra (2007 a 2010).

Além deles, José Rubens Goulart Pereira, Cristiano Goulart Ferreira e Andrea Bucciarellli Pedrazzoli foram denunciados.

De acordo com procuradores da República que integram a Força-Tarefa da Lava Jato em São Paulo, os denunciados "praticaram atos de lavagem de capitais em contas mantidas na Suíça e abertas em nome de offshores, servindo para receber pagamentos ilícitos vinculados ao Grupo Galvão Engenharia". Se a denúncia for aceita pela Justiça, eles se tornam réus no processo.

De acordo com a denúncia, Mário Rodrigues Júnior e Paulo Vieira de Souza receberam dinheiro no exterior através de empresas registradas em paraísos fiscais. José Rubens Goulart Pereira teria sido o principal articulador dos pagamentos, segundo a denúncia.

Ainda de acordo com a denúncia, Paulo Vieira recebeu propina em 2007 e 2010, quando foi diretor de engenharia da Dersa.

Histórico de Paulo Vieira

Paulo Vieira de Souza já foi condenado pela Justiça Federal a 27 anos em decorrência de irregularidades trecho sul do Rodoanel e do Sistema Viário Metropolitano de São Paulo entre 2004 e 2015, quando foi operador do PSDB.

Além disso, ele também foi preso preventivamente em 2019, durante um desdobramento da Operação Lava Jato.