X
Bertioga

Em Bertioga, escolas passam a contar com atendimento psicológico e psicopedagógico

A nova proposta também busca a inclusão dos alunos com deficiência e ajudar professores a trabalharem com os estudantes neste retorno

De acordo com a Secretaria de Educação, os professores, ao identificarem situações em sala de aula, como dificuldades de aprendizagem, indícios de violência doméstica ou sexual e possíveis deficiências, deverão notificar à equipe gestora / Renato Inácio / Prefeitura Municipal de Bertioga

Pensando na saúde e desenvolvimento dos alunos no período de volta às aulas presenciais, a Prefeitura de Bertioga lançou nesta terça-feira (5) o projeto “Escola Acolhedora”. A iniciativa ocorrerá em todas as unidades de ensino do Município, com atendimentos psicológicos e psicopedagógico.

A nova proposta também busca a inclusão dos alunos com deficiência e ajudar professores a trabalharem com os estudantes neste retorno.

“O objetivo é que a equipe da “Escola Acolhedora” dê subsídios e instrumentalize os profissionais da educação de todos os colégios municipais, para prestar atendimento correto aos pequenos bertioguenses”, afirma o prefeito.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

De acordo com a Secretaria de Educação, os professores, ao identificarem situações em sala de aula, como dificuldades de aprendizagem, indícios de violência doméstica ou sexual e possíveis deficiências, deverão notificar à equipe gestora.

Desta forma, os casos serão analisados e discutidos com o grupo de psicólogas e psicopedagoga, para que a escola inicie o acompanhamento junto com a família.  Caso haja necessidade, as crianças serão encaminhadas ao projeto da Equipe Multidisciplinar “Escola Acolhedora”, no Centro Educacional Especializado ‘Marco Antonio Del Corso’, para serem reavaliadas.

A partir desta nova avaliação os alunos poderão receber encaminhamento para o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), consulta com um neuropediatra ou outros profissionais de saúde da rede municipal.

“O projeto reforçará as ações já desenvolvidas pela equipe multidisciplinar da Secretaria de Educação, composta por fonoaudióloga e duas professoras de atendimento educacional especializado, proporcionando ainda mais cuidados com saúde psicológica dos alunos, principalmente neste momento que estamos enfrentando”, destaca o secretário da pasta.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande abre concursos públicos em duas áreas; salários chegam a R$ 7 mil

No total, são 77 vagas em diferentes cargos

TRÂNSITO

Obra: Prefeitura de São Vicente interdita ruas para solucionar problema de drenagem

Parte das ruas Martim Afonso e José Bonifácio está interditada por conta das intervenções

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software