SABESP AGOSTO DESK TOPO
SABESP AGOSTO MOB

Professor Kenny - Um novo começo

Ainda que alguns estados estejam se esforçando para retomar gradualmente as atividades econômicas, o cenário futuro permanece envolto em dúvidas

Comentar
Compartilhar
18 JUL 2020Por Da Reportagem07h15
Foto: Rodrigo Montaldi/Arquivo DL

Com o Brasil prestes a atingir a triste marca de 80 mil mortos pelo novo coronavírus, fica difícil apontar como será a vida pós-pandemia no país. Ainda que alguns estados estejam se esforçando para retomar gradualmente as atividades econômicas, o cenário futuro permanece envolto em dúvidas. Muitas pessoas viram a fonte de rendimentos que possuíam antes da pandemia minguar ou deixar de existir.

Nesse contexto de muitas interrogações, a importância do Parque Tecnológico de Santos para a retomada do desenvolvimento regional fica ainda mais acentuada. O edifício, situado na Vila Nova, está em fase final de acabamento. O local deve se tornar um polo para que empresas e empreendedores elaborem maneiras de recuperar espaço no mercado e/ou formulem estratégias para se adequar aos novos tempos.

O primeiro complexo tecnológico da Baixada Santista, a exemplo de bem-sucedidos empreendimentos com as mesmas características existentes em outras cidades-polo paulistas, contará com um hub de inovação, startups, incubadora de empresas, investidores e instituições diversas de apoio ao processo de alavancagem de negócios.

Em outras palavras, será um centro de aprendizado, disseminação de ideias e incentivo à criatividade para o empreendedorismo local. Ciente da relevância que o complexo terá para o progresso futuro da região, indiquei na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) uma emenda parlamentar de R$ 670 mil para equipar a sede do Parque Tecnológico de Santos.

Sou vice-presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Informação do Legislativo paulista e, na função, tive a oportunidade de conhecer os avanços que os parques tecnológicos trouxeram para São Carlos, Sorocaba e Campinas, entre outros municípios. A Baixada Santista precisa integrar esse grupo, que reúne empresários, poder público e universidades.

Inovação, técnica e criatividade serão determinantes para a retomada da economia no País. Não será diferente em nossa região. Qualquer instrumento que sirva para fomentar o crescimento local será bem-vindo aos que precisam retomar seus negócios ou àqueles que pretendem ingressar em um novo ramo. O esforço de cada um será importante para vencermos os impactos causados pela nova realidade.

Professor Kenny, deputado estadual