Artigo - Volta às aulas

Como reabrir escolas, privadas ou públicas, de um país que não conseguiu estabelecer sequer UM mísero plano para esta pandemia?

Comentar
Compartilhar
31 AGO 2020Por Da Reportagem06h50
Foto: DIVULGAÇÃO

Por Francisco Marcelino

Amanhã, primeiro de setembro, é um marco para milhões de estudantes e professores franceses do maternal ao último colegial. Depois de seis meses, entre confinamento e férias, as escolas reabrem no país. As universidades só retomam em meados de setembro. No ar, um grande medo de pais, professores, funcionários do sistema educacional e alunos: a chamada segunda onda do novo coronavírus. 

O início das aulas coincide com um aumento vertiginoso de novos casos na França. A taxa já está próxima daquela do pico da pandemia por aqui em abril. Claro que não é possível comparar esses dados, pois hoje a França tem uma capacidade de testagem muito maior do que no início do ano. Porém, os novos casos aumentaram numa velocidade maior do que a dos testes. Ao menos, os óbitos são relativamente baixos.

Dentre os vários sindicatos ligados aos profissionais do ensino, um deles, o SNUipp, que reúne professores do maternal, primário e ginásio, lembra que essa não será uma volta às aulas como as outras. O governo francês adotou medidas sanitárias restritivas, como o porte de máscaras. Entretanto, esse protocolo foi estabelecido em julho, quando não havia um forte aumento de novos casos como nos últimos dias, diz o sindicato. 

Todos os professores e funcionários deverão usar máscaras nas escolas, mesmo nas áreas externas. Isso também vale para os pais e responsáveis. Já as crianças, só aquelas com mais de 11 anos. Além disso, todos deverão seguir regras de distanciamento social, higiene regular das mãos e ventilação natural das salas de aula (bom, enquanto o frio não chegar). 

O governo ainda pede a cooperação dos pais: não enviar crianças com febre ou outros sintomas para as escolas. Os casos suspeitos serão testados imediatamente, assim como todos os que entraram em contato. Se a contaminação for maior, a escola ou parte dela será fechada. Por fim, se houver uma segunda onda e for inevitável fechar as escolas, o ministério implementará aulas remotas.

Alguns pais aqui, como aí, sonham com a volta às aulas. A rotina das crianças foi alterada severamente. Muitas passaram a dormir e acordar muito tarde. Tenho exemplos aqui em casa — nem citarei os nomes dos envolvidos. Também há o problema dos que desapareceram durante o ensino remoto, por não terem computador, tablet ou acesso à internet. Existe ainda a insegurança alimentar, porque a merenda é a principal refeição de muitas crianças. 

O retorno às aulas é importante, mas, mesmo com os planos A, B e C definidos pelo governo francês, o risco de contaminação é elevado. 

Agora, falando no Brasil, como reabrir escolas, privadas ou públicas, de um país que não conseguiu estabelecer sequer UM mísero plano para esta pandemia? Para que a pressa? No fim das contas, nossos filhos estão onde eles mais gostariam de estar: ao nosso lado.

Francisco Marcelino, escritor e cineasta