X
Artigo

Tenente Coimbra - A possível flexibilização do uso de máscara

Países com uma média de 47% da população totalmente vacinada já flexibilizaram o uso das máscaras e São Paulo com 70% ainda não

Tenente Coimbra, deputado estadual / DIVULGAÇÃO

O avanço da vacinação e a queda de casos de Covid-19 desencadearam anúncios e estudos para flexibilizar o uso de máscaras em locais abertos. Esta semana, vários estados e municípios, como Rio de Janeiro e São Paulo, começaram a discutir o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais abertos. Motivados pela queda no número de internações e óbitos pela covid-19 registrada no país, alguns governadores e prefeitos se viram animados para suspender a medida. Estima-se que menos de 1% das transmissões ocorram ao ar livre, mais um motivo para reforçarmos essa liberação.

Contudo, não há dúvida de que a máscara é essencial em lugares fechados e mal ventilados, principalmente se houver aglomeração. As máscaras em locais fechados provavelmente serão a última medida a abandonarmos, visto que elas comprovadamente reduzem a transmissão comunitária.

Caso ocorra a liberação, será muito importante conscientizar a população de que ainda precisaremos usar máscaras em locais fechados. Esta compreensão é fundamental para que o plano de flexibilização não seja afetado. É importante que todos entendam que a pandemia não acabou, mas acredito que sejamos completamente capazes de respeitar toda informação passada e continuar cumprindo as regras.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

A obrigatoriedade do uso de máscara vem sendo flexibilizada em vários países. Na Europa, o Reino Unido tornou sua utilização facultativa desde julho, enquanto a Dinamarca encerrou a obrigação no final de agosto. Já França, Itália e Espanha revogaram a utilização ao ar livre desde junho.

Países com máscara liberada em locais abertos e alguns também em locais fechados e suas respectivas taxas da população vacinada quando houve a liberação:

Israel - 59,4%
EUA - 49,7%
França - 49,1%
Itália - 60,0%
Espanha - 32,9%
China - 70,0%
Austrália - 27,7%
Coreia do Sul - 45%
Islândia - 73,0%
Hungria - 57,6%
Suécia - 57,6%
Dinamarca - 66,4%
Grécia - 52,5%
Suíça - 52,5%
Canadá - 66,9%
Bélgica - 66,5%
Alemanha - 59,0%

Já se passaram quase dois anos desde o início da pandemia, vivemos momentos difíceis e sacrifícios foram feitos por todos, mas a vida precisa começar a voltar ao normal, mesmo que com algumas restrições. Já temos o retorno das aulas presenciais, alguns shows já começaram a acontecer, já é possível ir ao cinema, os estádios já estão recebendo os torcedores e agora aguardamos, ansiosamente, uma possível flexibilização do uso da máscara.

É importante que tudo volte a girar como antes, para que a economia também se restabeleça e nos recuperarmos de maneira completa do estrago causado pelo
mal que nos assola há cerca de dois anos.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Professor usa plataforma pornô para dar aulas de matemática

O taiwanês trabalhava há tempos no mercado de cursinhos, um ramo milionário em uma região marcada pela competitividade no ambiente educacional

Cotidiano

Semana terá clima maluco, por isso, leve guarda-chuva, protetor solar, casaco, para-raio e um bote

Clima indeciso marcará últimos dias de novembro

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software