20h : 03min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Marco não garante Ricardo Gomes e técnico admite pressão no cargo

Nesta quinta, a equipe perdeu pela quinta vez sob seu comando, chegou a cinco jogos seguidos sem vitória no Campeonato Brasileiro

Comentar
Compartilhar
14 OUT 2016Por Gazeta Press11h30
Nesta quinta, a equipe perdeu pela quinta vez sob o comando de Ricardo Gomes, chegou a cinco jogos seguidos sem vitória no Campeonato BrasileiroFoto: Divulgação

O técnico Ricardo Gomes completou seu 12º jogo à frente do time do São Paulo nesta quinta-feira. Mas o aproveitamento do treinador não é nada bom. Nesta quinta, a equipe perdeu pela quinta vez sob seu comando, chegou a cinco jogos seguidos sem vitória no Campeonato Brasileiro. Além disso, foram mais quatro empates e apenas três vitórias. Os números ruins aliado ao momento do clube, que segue a três pontos da zona de rebaixamento, já deixam Ricardo Gomes ameaçado no cargo até mesmo para encerrar a temporada.

“Olha os resultados. Cinco resultados negativos. Tem algum treinador que não fica ameaçado com cinco resultados negativos? Vocês conhecem? É normal. Não tem nenhum treinador que não fique ameaçado no Brasil assim”, admitiu o próprio comandante tricolor, logo após a derrota por 1 a 0 para o Santos, em pleno Pacaembu lotado de são-paulinos.

Marco Aurélio Cunha, ao deixar o vestiário e se dirigir ao ônibus da delegação tricolor, evitou dar qualquer tipo de garantia de que o atual técnico do time seguirá no cargo até o fim do ano, mesmo que restem apenas oito jogos para as férias dos jogadores.

“Primeiro, tem o presidente para decidir coisas que são maiores que meu poder de decisão. Segundo, eu me sinto triste. Triste porque eu não acho que o São Paulo tenha merecido perder o jogo. Não jogou bem, tem dificuldade na finalização. Temos tido chances de gol”, despistou o executivo de futebol do clube, para em seguida responder mais asperamente diante da insistência no tema.

“Nós não estamos pensando nessa mudança. Claro que eu tenho o presidente acima de mim e eu não respondo pelas coisas integralmente. E nós temos que seguir com o trabalho. Essa pergunta incisiva não faz nenhuma diferença para mim. Nós vamos continuar trabalhando”, avisou, sem sucesso na tentativa de mudar de assunto.

“De novo a pergunta?”, retrucou. “A minha vontade é que o São Paulo vença, que o Ricardo sobreviva e que a gente possa melhorar. Não me pergunte mais isso”, finalizou o homem forte do futebol do São Paulo, que por fim não negou a preocupação com a situação do time na tabela.

“Acho que todos que estão numa posição incomoda vão sofrer. Talvez quem não vá sofrer é o Santa Cruz e o América, porque já têm um quadro definido. Os outros clubes, todos, o Internacional, o São Paulo, o Cruzeiro, o Vitória, o Sport, o Coritiba, vão estar sempre preocupados com o Z4. Nós temos de trabalhar e não nos perturbarmos mais do que já vão nos perturbar”.

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar