19h : 32min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Em ‘decisão,’ Santos quer manter tabu de seis anos contra o Palmeiras

O clube está há seis anos sem perder para o rival dentro de casa

Comentar
Compartilhar
18 MAR 2017Por Gazeta Press15h46
Em 2011, Neymar era a principal estrela do Santos. Porém, que decidiu o jogo foi o palmeirense KleberFoto: Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Se a situação na Libertadores está tranquila para o Santos após a vitória por 2 a 0 sobre o The Strongest, na última quinta-feira, o mesmo não pode ser dito para o Campeonato Paulista. Com apenas 13 pontos e ocupando a terceira colocação do grupo D, o Peixe encara o duelo contra o Palmeiras como uma decisão neste domingo, às 18h30 (de Brasília), na Vila Belmiro. E apesar do equilíbrio recente diante do Verdão, o alvinegro tem um bom retrospecto a seu favor para o clássico.

Isso porque o clube está há seis anos sem perder para o rival dentro de casa. O último revés aconteceu em 2011. Na ocasião, o Santos ainda contava com a dupla Neymar e Ganso. Porém, quem decidiu o clássico foi Kleber. Conhecido como ‘Gladiador’, o centroavante palmeirense marcou o único tento da partida. Hoje no alviverde, o zagueiro Edu Dracena era o capitão santista e falhou no gol do atacante rival.

Após essa derrota, o Peixe recebeu o Palmeiras na Vila mais 11 vezes, sendo dois empates e nove vitórias. A última delas aconteceu no ano passado, quando o colombiano Jonathan Copete marcou e decretou triunfo do alvinegro, que ainda lutava pelo título do Brasileirão, conquistado pelo Verdão em novembro.

“Temos um clássico, que é sempre complicado, mas todos gostam de jogar. Se almejamos classificação, precisamos passar por esse adversário. Vamos encontrar dificuldades, assim como eles também sabem como é jogar na Vila. Pretendemos buscar a classificação e vamos procurar fazer um bom jogo. Nada melhor que um clássico, jogo bom, jogadores de qualidade e ingredientes que envolvem um duelo como esse”, ressaltou Ricardo Oliveira.

Colunas

Contraponto