21h : 46min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

Corinthians perde eficiência no ataque e na defesa e balança no returno

Os dados do Footstats mostram que o maior motivo de preocupação para Fábio Carille se encontra na eficiência da equipe

Comentar
Compartilhar
11 SET 2017Por Folhapress18h30
Os números exibem o quanto a equipe de Fábio Carille caiu desde o início do returnoFoto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Três derrotas nos últimos quatro jogos e o então incontestável líder Corinthians passou a ser questionado. Apesar da ainda confortável vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro -são sete pontos em relação ao Grêmio, derrotado no fim de semana pelo Vasco -, espanta a queda na eficiência do primeiro colocado da Série A. Os números exibem o quanto a equipe de Fábio Carille caiu desde o início do returno.

Os dados do Footstats mostram que o maior motivo de preocupação para Fábio Carille se encontra na eficiência da equipe. Nos dois lados do gramado, o Corinthians dos últimos quatro jogos não foi o mesmo do quase impecável primeiro turno

Se na metade inicial o Corinthians obteve a impressionante média de 0,5 sofrido por partida, em quatro jogos o sistema corintiano concedeu um gol por jogo aos adversários. Já no ataque, o time alvinegro balançou a rede apenas uma vez, com Jô, na vitória contra a Chapecoense. Antes, tinha a marca de 1,7 tentos por jogo.

Um dado que reforça esta queda é o número de finalizações necessárias para fazer um gol. Para balançar a rede adversária durante as 19 primeiras rodadas, o Corinthians dependia de menos de três arremates à meta adversária (2,8). Com um gol em 20 chutes nos últimos quatro compromissos, a dificuldade no fundamento, sentida especialmente nas derrotas para Vitória e Atlético-GO, em casa, fica clara.

Mesmo sem citar números, o técnico Fábio Carille apontou as finalizações como um fator decisivo para os resultados ruins neste início de returno. Depois do 2 a 0 para o Santos, o comandante corintiano apontou justamente este fator como necessário para o time da capital paulista retomar a arrancada de líder da competição.

"Agora é continuar repetindo nossas ideias e convicções, melhorar a nossa finalização. Está todo mundo muito esgotado, sabendo das dificuldades. O último gol [do Santos] foi errando passe na zona de construção", analisou o comandante, ciente do aumento também nos erros de passes.

Durante o primeiro turno da competição, o Corinthians terminou com a média de 43 passes errados por partida. Somente nos quatro jogos deste returno -inclui-se na conta também a sofrida vitória diante da Chapecoense-, este número subiu para 51.

Ainda sobre as finalizações necessárias para anotar-se um gol, defensivamente este número assusta. No primeiro turno, os rivais precisavam de quase nove chutes à meta de Cássio (8,3) para conseguir vazar a equipe de Carille. Agora, bastam menos de cinco arremates (4,5) para superar aquela que ainda é, no cômputo geral, a melhor defesa do Brasileirão.

Fábio Carille terá pouco tempo para corrigir a eficiência corintiana antes do próximo compromisso pela Série A. Na quarta-feira (13), o Corinthians recebe o Racing, da Argentina, pelas oitavas de final da Sul-Americana. Quatro dias depois, também na Arena, em Itaquera, o time tenta a reabilitação no Brasileirão diante do embalado Vasco, sexto colocado.

Colunas

Contraponto