21h : 09min

Conheça o
Caderno + DL

Ler

Assine o Jornal por R$8
por mês no plano atual

AssineLer Jornal

AHBB diz que precisa de R$ 2,6 milhões para reabrir hospital

Com repasse, AHBB garante reabertura da maternidade e, consequentemente, do hospital, em uma semana

Comentar
Compartilhar
26 NOV 2016Por Da Reportagem11h00
Diretor da AHBB, Manoel Rogério Miotello, disse ontem ao prefeito interino, Aguinaldo Araújo, que seria preciso R$ 2,6 milhões para reabrir maternidade e pagar funcionáriosFoto: Divulgação/PMC

O diretor geral da Associação Hospitalar Beneficente do Brasil (AHBB), Manoel Rogério Zabeu Miotello, disse ontem ao prefeito interino de Cubatão, Aguinaldo Araújo, que seria preciso, no momento, o repasse de aproximadamente R$ 2,6 milhões para reabrir a maternidade e pagar a folha dos funcionários do Hospital Municipal Dr. Luiz de Camargo da Fonseca e Silva.

Miotello e o prefeito em exercício se reuniram na manhã de ontem, no hospital, por iniciativa de Araújo, para debater a reabertura da unidade. O complexo de saúde está com atividades reduzidas devido às dificuldades de repasse de recursos da Prefeitura para a AHBB, que o administra.

Aguinaldo Araújo recebeu, de Manoel, cópia da proposta financeira que a entidade fez formalmente à Prefeitura no último dia 17, com vistas ao funcionamento do setor de maternidade.

Conforme Miotello, seria preciso, no momento, o repasse de R$ 2.655.598,96 para reinício dos serviços de obstetrícia clínica, atendimento de emergência obstétrica, obstetrícia cirúrgica, UTI neonatal e berçário externo. Deste total, cerca de R$ 1,6 milhão referem-se à folha de pagamentos dos funcionários.

Conforme a proposta, após a liberação dos recursos, seria possível a reabertura do serviço - e, consequentemente, do hospital - em uma semana.

Na tarde de ontem, Aguinaldo Araújo se reuniu com assessores, entre eles os secretários de Finanças e Saúde, para discutir o assunto. Esclareceu que não tem a pretensão de solucionar os problemas do hospital no período de interinidade, mas considera seu dever facilitar ao máximo a busca de soluções.

“Não me posiciono como salvador da pátria. Tenho a consciência de que minha administração é de transição. Mas não será por isso que deixarei de dar minha total colaboração para que o prefeito Ademário Oliveira, que começa seu mandato no dia 1º de janeiro, possa honrar seu compromisso, assumido publicamente, de priorizar o atendimento à Saúde”, afirmou.

Colunas

Contraponto

Construtora CredLar