TRT tenta conciliação hoje entre conferentes em greve e a Rodrimar

As duas partes estarão frente a frente na audiência de instrução e conciliação que acontecerá às 10h30 na sede do Tribunal

Comentar
Compartilhar
03 MAR 2017Por Da Reportagem09h00

A greve deflagrada pelos profissionais da conferência que atuam no Porto de Santos sob o regime de trabalho avulso administrado pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) de Santos ganhará um novo capítulo na manhã desta sexta-feira quando o Tribunal Regional do Trabalho (TRT/SP) vai realizar audiência de conciliação entre o Sindicato dos Conferentes e representantes do Grupo Rodrimar.

As duas partes estarão frente a frente na audiência de instrução e conciliação que acontecerá às 10h30 na sede do Tribunal, na Rua da Consolação, em São Paulo. Por tempo indeterminado, a paralisação teve início no dia 21 nas empresas Rodrimar S/A Agente e Comissária; Rodrimar S/A Transportes, Equipamentos e Armazéns Gerais; Rodrimar S/A Terminais Portuários e Armazéns Gerais e S/A Marítima Eurobras Agente e Comissária.

Na última semana, os portuários impediram as operações de descarga de fertilizantes à granel no navio Ocean Galaxy, sob responsabilidade da Rodrimar, atracado no cais do armazém 23 do complexo portuário.

O presidente do Sindicato, Marco Antônio Sanches, lamenta o impasse. “Nada disso seria necessário se a empresa tivesse atendido as reivindicações da categoria, que foram balizadas na simples recuperação das perdas inflacionárias dos últimos dois anos, período em que os avulsos não receberam nenhum aumento da Rodrimar”.

Nesse sentido, os 280 conferentes pleiteiam a aplicação do  INPC–IBGE  de 1º de março de 2016 a 28 de fevereiro de 2017 e aumento real de 9% e vale-refeição de R$ 33,00 por jornada de 6 horas.

Outro lado

A Rodrimar, por sua vez, através de sua diretoria, disse logo após a deflagração da greve que foi surpreendida com a paralisação que foi deflagrada no momento em que as partes estavam em plena negociação com o sindicato.

Informou que fechou acordo salarial com outros sindicatos de portuários e avulsos e  que, na audiência de hoje no TRT vai oferecer o que foi fechado com os demais sindicatos, cinco por cento a partir de março/16 com pagamento do retroativo em três parcelas.