Trabalhadores em hospitais querem 15% de reajuste salarial

Cerca de 3.500 empregados da Casa de Saúde, Ana Costa e Beneficência iniciaram a campanha salarial 2015

Comentar
Compartilhar
16 MAI 201511h23

Reunidos em assembleia, os empregados de três hospitais: Ana Costa, Beneficência Portuguesa e Casa de Saúde de Santos, cuja data-base é 1º de junho, aprovaram a pauta com as reivindicações para renovação do acordo coletivo para mais um ano. A categoria reivindica 15% de reajuste nos salários.

A assembleia foi realizada no Sintrasaúde, sendo comandada pelo presidente do sindicato, Paulo Pimentel. “Ao todo, cerca de 3.500 empregados são abrangidos pela campanha salarial 2015, mas a campanha não é só aumento salarial, temos peculiaridades de cada hospital que estão sendo discutidas para solução de pendências”, justificou o sindicalista.

Ele diz que os funcionários desses hospitais estão insatisfeitos com a baixa remuneração e falta de condições adequadas ao trabalho. “A participação maciça na assembleia dá mostras dessa insatisfação”, menciona Pimentel.

O dirigente sindical enumera os principais problemas. No caso da Sociedade Portuguesa de Beneficência a cobrança é relacionada ao pagamento de salários e das férias que vem ocorrendo com atraso, complicando a vida dos trabalhadores que dependem exclusivamente desse dinheiro para saldar seus compromissos.

A pauta da categoria foi enviada ontem aos três hospitais (Foto: Arquivo/DL)

Os empregados dos hospitais Ana Costa e Casa de Saúde de Santos reclamam das condições de trabalho e esperam dos empregadores maior flexibilidade nas negociações para renovação da Convenção Coletiva de Trabalho.

Paulo Pimentel ressalta que já esteve reunido com a Administração da Beneficência, cobrando providências e, se o atraso continuar, a Diretoria do Sindicato tomará medidas mais severas para fazer prevalecer os direitos de seus representados. Em relação aos hospitais Ana Costa e Casa de Saúde, ele diz que já agendou reuniões para resolver o impasse.

Outros itens aprovados na assembleia foram

Jornada de trabalho 12 x 36 com 2 folgas mensais e adicional de 10% sobre o salário base; jornada de trabalho de 40 horas semanais, sem redução salarial; jornada de trabalho de 6 horas diárias; jornada de trabalho de 30 horas semanais para o setor de Enfermagem, sem redução salarial; adicional noturno no período das 22 às 7 horas, com 60% sobre a hora normal; licença gestante de 180 dias; adicional por tempo de serviço de 5% ao ano;auxílio creche de um (01) salário mínimo; cesta básica de R$ 300,00 e horas extras com acréscimo de 100% sobre a hora normal.