Grupo de servidores reclama de Sindicato dos Trabalhadores

Um grupo de servidores, associados ao Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Praia Grande reclama da postura da entidade

Comentar
Compartilhar
09 JAN 201321h43

Segundo o grupo, o sindicato não os chama para assembleias. “Nós não somos convocados, eles decidem a pauta e a aceitam o que a prefeitura disser sem nos consultar, sem a nossa participação”, diz a cozinheira, servidora de Praia Grande, Waldelice Santos. 

O servidor Adriano Lopes da Silva, ressalta que as reivindicações feitas juntamente com o reajuste salarial deste ano, não foram atendidas pela prefeitura. “E mesmo assim o sindicato acatou sem nos questionar se aceitávamos isso ou não”, diz o servidor.

Entre as reivindicações que constavam na pauta de reivindicações que foram exigidas e não foram atendidas pela prefeitura estão a concessão do ticket refeição, subsídio de 50% do valor desembolsado com plano de saúde e a fixação da despesa com pessoal de 48% da receita corrente líquida, além do aumento para R$ 180 do Cartão Bônus Alimentação (CBA). “A cesta básica era R$ 140 e a prefeitura passou para R$ 150. E ninguém nos consultou pra ver se aceitávamos o aumento de só R$ 10, quando a reivindicação era de R$ 180”, diz Waldelice.

O reajuste concedido em maio pela prefeitura foi de 7% e de 12% para alguns cargos como agente administrativo e motorista. O executivo afirma que chegou ao valor considerando a inflação apurada nos últimos 12 meses da ordem de 6,30%.

O Diário do Litoral procurou o Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Praia Grande para comentar o assunto, no entanto, até o fechamento desta edição, nenhum responsável pela entidade foi localizado.