Fim da contribuição sindical ainda gera polêmica na Câmara

Projeto da reforma deve ser votado na próxima semana no plenário da Câmara Federal

Comentar
Compartilhar
22 ABR 2017Por Da Reportagem12h00
Deputados ligados às centrais sindicais alegam que o fim da contribuição sindical será um dos temas que mais vai gerar discussão durante votação em plenárioDeputados ligados às centrais sindicais alegam que o fim da contribuição sindical será um dos temas que mais vai gerar discussão durante votação em plenárioFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A regulamentação do trabalho intermitente, o acesso à Justiça do Trabalho e o  fim da obrigatoriedade da contribuição sindical foram os pontos mais polêmicos na audiência conunta das comissões de Legislação Participativa; e de Trabalho, Administração e Serviço Público para debater a reforma trabalhista (PL 6787/16), nesta terça-feira (18).

O representante do Ministério do Trabalho, Admilson Moura dos Santos, defendeu mudanças em relação à previsão de regulamentação do trabalho intermitente.

"Se permitirmos a intermitência sem controle em todas as áreas, como serviços, corremos o risco de desregular o mercado", disse. Segundo ele, na França, por exemplo, isso só é permitido em trabalhos com sazonalidade comprovada, e na Itália é preciso acordo coletivo.

Para o procurador do Trabalho Carlos Eduardo de Azevedo Lima, da 13ª Região, o contrato intermitente faz a pessoa não ter qualquer previsão a respeito de seu horário e da sua remuneração.“Um empregado pode ficar à disposição de uma loja no shopping o dia todo e ser chamado apenas nos horários de maior movimento. E isso não aumenta a quantidade de emprego, como foi verificado no caso de grande rede de fast food recentemente."

José Calixto Ramos, da Nova Central Sindical de Trabalhadores, também criticou a medida. “Você pode ser contratado por três empresas, por poucas horas, durante a semana. Como o trabalhador, dessa maneira, vai conseguir idade para se aposentar?”, perguntou.

Para a desembargadora Vólia Bomfim Cassar, do TRT da 1ª Região, o trabalho intermitente traz insegurança jurídica. “Sem contar que o empregado pode pagar multa de 50% do valor do serviço se não comparecer ao trabalho, o que é absurdo”, disse.

Trabalho em casa

Luiz Antônio Colussi, da Associação Nacional dos Procuradores da Justiça do Trabalho (Anamatra), pediu limites e condições para o teletrabalho. “O projeto não prevê nem que empregador se responsabilize pelos equipamentos”, disse.

O autor do substitutivo à reforma, deputado Rogério Marinho (PSDB -RN), defendeu a medida. “Segundo o IBGE, 4 milhões de pessoas já trabalham em casa hoje no Brasil, sem um marco regulatório. Estamos pegando o trabalhador que está fora da lei e colocando no mercado.

Justiça do Trabalho 

Os debatedores também criticaram os limites previstos no texto para a criação e alteração de súmulas (interpretações) da Justiça do Trabalho. O projeto passa a exigir os votos de dois terços dos ministros do Tribunal Superior do Trabalho para serem editadas.

Para o procurador do Trabalho Carlos Eduardo de Azevedo Lima, o projeto diminui o acesso do trabalhador à justiça. “O empregado tem que pagar até por perícia. E aumenta o grau de exigências para súmulas previstas até no Código de Processo Civil”, disse.

Já o desembargador Gustavo Tadeu Alkmin, do TRT da 1ª Região, disse ver ameaças à proteção do trabalhador. “A essência da Justiça do Trabalho é de proteger o trabalhador, que tem poder desigual. Essa proposta inverte essa lógica.”

O projeto destrói o papel da justiça do Trabalho, que servirá apenas para chancelar acordos, avaliou Paulo Vinícius da Silva, da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTTB)

Rogério Marinho disse que o objetivo é dar segurança jurídica ao empregador e diminuir a quantidade de ações trabalhistas. 

Contribuição sindical

A proposta torna a contribuição sindical opcional. Segundo o relator, a medida fortalece a estrutura sindical brasileira, ao reduzir o que considera um excessivo número de entidades representativas de empregados. Marinho ionformou que há no País 11.326 sindicatos de trabalhadores e 5.186 sindicatos de empregadores.

Para Lourenço Prado, representante da União Geral dos Trabalhadores UGT), a medida vai enfraquecer os sindicatos, que não têm Sistema S financiado.

Rogério Marinho argumentou que "hoje a grande maioria dos sindicatos é pelego" e só existe em função da contribuição sindical. "Por isso estou convicto de que tornar a contribuição opcional fortalece os sindicatos”, disse.

O representante do Ministério do Trabalho, Admilson Moura dos Santos, avaliou que o texto precisa ter nova redação para dar salvaguardas ao trabalhador. “A proposta do relator não prevê adicional de 50% para horas extras e o substitutivo vai fazer com que todas as empresas migrem para o banco de horas”, avaliou.