X
CULTUR

Sesc SP realiza a Ocupação Mirada 2021 com programação presencial e online

Evento internacional acontece de forma híbrida, com apresentações presenciais em Santos e peças apresentadas pela internet

Sem Palavras, de autoria de Marcio Abreu, com a companhia brasileira de teatro, abre a Ocupação Mirada com sessões nos dias 24 e 25 de novembro / Nana Moraes / Divulgação

Entre 24 e 28 de novembro, o Sesc SP realiza a Ocupação Mirada 2021, programação especialmente idealizada para o momento de retomada entre as edições do Mirada - Festival Ibero-americano de Artes Cênicas, evento bienal organizado pela instituição, tradicionalmente reunindo espetáculos da América Latina, Portugal e Espanha.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Este ano o formato será híbrido, com sessões presenciais e dezenas de atrações on-line, entre peças, mesas de conversas, ações formativas, processos de criação e mostras do acervo digital do Sesc SP. 

Após cinco edições e dez anos de existência, o Mirada - Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas não teve sua realização em 2020 devido à crise sanitária. “A Ocupação Mirada 2021 recorre a um formato híbrido entre presencial e on-line com ações que dão continuidade à trajetória do Festival, como parte de sua memória e de seus novos frutos, que conjugam experiências adquiridas tanto por criadores quanto por espectadores ao longo deste período”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo.

“Perante esse cenário inevitável e imprevisível, aqueles que fazem da arte um poderoso meio de (re)criar laços com o mundo demonstraram habilidade em articular formatos e temáticas imprescindíveis para estabelecermos relações com aquilo que nos acontecia, suas consequências e, sobretudo, com as condições que nos levaram até aqui e os caminhos que avistam renovados horizontes”, complementa Danilo.

Uma seleção de dez espetáculos do acervo do #EmCasaComSesc, reunindo produções exibidas durante a pandemia nas redes e plataformas do Sesc, integram a Ocupação Mirada 2021. Entre eles estão Desconscerto, com Matheus Nachtergaele; Cérebro Coração, com Mariana Lima, e Mãe Coragem, de Bete Coelho.

Outras duas obras, Travessias e Reconciliação, a primeira da companhia brasileira de teatro e a segunda com direção de Alexandre Dal Farra e Patrícia Portella, marcam presença por seu caráter processual e de continuidade da construção dos trabalhos Sem Palavras e Trauma, respectivamente, duas das estreias na Ocupação.

Fortalecendo uma das características que mais representam o Mirada - um ponto de encontro entre artistas de diversas origens e territórios -, importantes nomes da cena ibero-americana vão compartilhar com o público, durante a Ocupação, os processos de criação que darão origem aos seus próximos trabalhos. Isto ocorrerá em diferentes formatos - de ensaios abertos a laboratórios de criação, passando por conversas e produções conjuntas.

Durante o evento, no dia 26 de novembro, haverá o lançamento da TePi - plataforma que reúne a produção teatral baseada no Festival Teatro e os Povos Indígenas, Encontros de Resistência, liderada pela diretora artística Andreia Duarte, em parceria e co-curadoria com o ambientalista e filósofo Ailton Krenak. O conteúdo se desdobrará em outras ações, como peças e mesa de debate.

A Ocupação também organizou o Miradas Digitais que é uma ação com artistas convidados, que construirão narrativas para diferentes coleções de obras do Sesc Digital, das lives #EmCasaComSesc, entre outros. A ideia é envolver o público em uma viagem pelo tempo por meio da navegação nessas histórias contadas de formas inusitadas.

Ao todo, os 23 espetáculos, entre 11 com horários de estreia determinados e outros 12 disponíveis on demand durante todo o período da programação, dois deles apresentados a partir da cidade de Santos (SP), com presença de público. A programação completa poderá ser acessada em www.sescsp.org.br/mirada a partir do dia 17 de novembro de 2021.

ESPETÁCULOS PRESENCIAIS.
O primeiro deles, Sem Palavras, autoria de Marcio Abreu, com a companhia brasileira de teatro, abre a Ocupação Mirada com sessões nos dias 24 e 25 de novembro, no teatro do Sesc Santos. É a estreia do espetáculo em território brasileiro, depois de passar por festivais internacionais na França e Alemanha. 

Já a outra montagem, Sueño, livre adaptação de “Sonho de uma Noite de Verão”, de Shakespeare, de Newton Moreno, será encenada no Centro Esportivo e Recreativo Rebouças, nos dias 26 e 27 de novembro, em um espaço ao ar livre preparado especialmente para receber a peça, no contexto latino-americano. 

ESPETÁCULOS ONLINE.
Chega de Saudade!, d’Aquela Cia (RJ) faz sua estreia mundial. O texto conta a história da Bossa Nova na visão do coletivo carioca e vem sendo construído pelos próprios atores em um elenco formado só por artistas negros. A apresentação será gravada e transmitida pelas redes e se junta a obras premiadas do repertório do grupo que estiveram em edições do Mirada - Caranguejo Overdrive e Guanabara Canibal.

A Ocupação Mirada 2021 reforça  o seu alcance para outros países. O espetáculo Aurora Negra, de Portugal, reúne três autoras mulheres para tratar do lugar e da presença do corpo negro na cena artística europeia. Cleo Tavares (Cabo Verde), Isabel Zuaa (Portugal, de origem de Angola e Guiné-Bissau) e Nádia Yracema (Angola) participam também da mesa “Corpo Político e Presencialidades”, dia 27 de novembro, on-line, e que conta ainda com a dramaturga peruana Diana Daf Collazos. 

Trauma, de Alexandre Dal Farra (Brasil) e Patrícia Portela (Portugal) é um ensaio literário e dramatúrgico, com a justaposição de imagens das últimas décadas no Brasil e em Portugal. Essa  obra coproduzida pelo FITEI - Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (Portugal) foi transformada e adaptada para o formato audiovisual a partir do projeto original chamado Reconciliação. 

Voltado para toda a família, será exibido  O Monstro da Porta da Frente, d’A Digna Coletivo Teatral. Com direção de Kiko Marques, o espetáculo faz uma discussão lúdica sobre a memória, a partir da história de Laurinha e seu amigo Lanterninha que resolvem criar um filme para evitar a destruição do bairro.

Duas obras ligadas ao fazer teatral dos povos originários e que estabelecem relação com o lançamento da plataforma TePi estão na programação: Ino Moxo, do Grupo Íntegro, do Peru - que trata de uma aventura pela Amazônia em busca de um lendário shaman da ayahuasca - e Trewa, do KIMVN Teatro, teatro documental das raízes do povo Mapuche do Chile. A diretora deste espetáculo, Paula González Seguel, participa de uma das mesas que integram a programação, “Teatralidades e Povos Indígenas”.

Também do Peru vem Preludio -  Ficciones del Silencio, concebido pela atriz e diretora peruana Diana Daf Collazos. A obra entrelaça realidade e ficção para tratar das memórias coletivas, lembranças pessoais e políticas, e de silêncio e luto. Já La segunda vida de un Dragón, do chileno Guillermo Calderón, faz uma irônica reflexão sobre arte (e sobre fracasso), trazendo à cena uma crítica a artistas, instituições, mercado e sociedade. 

Por fim, a obra La Casa de tu Alma, do México, com direção de Conchi León para a Saas’Tun Teatro, propõe que os atores partam de suas próprias experiências, misturadas a lendas de cemitérios famosos pelo mundo, para criar uma trama sentimental sobre o ritual de despedida dos mortos.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Guarujá

Mutirão retira mais de uma tonelada de lixo no Rio Santo Amaro

Iniciativa do Instituto Gremar e do Iate Clube de Santos promoveram a limpeza no último fim de semana

Economia

Prepare o bolso! 8 orientações para as compras de material escolar

Os preços de materiais escolares variam muito entre as lojas e mesmo na internet, por esse motivo, é importante pesquisar e planejar as compras

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software