X

SÉRIE: SALVE O CLIMA

Santos tem 50 metas planejadas para enfrentar estado de emergência climática

A cidade foi a primeira do Brasil a criar o Plano Municipal de Mudanças Climáticas, em 2016, com participação de pesquisadores de diversas universidades

Luana Fernandes

Publicado em 30/09/2023 às 07:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Santos tem um histórico problemático de enchentes na Zona Noroeste / Nair Bueno/DL

Muito se fala sobre o que as mudanças climáticas podem fazer com o futuro da humanidade. A onda de calor que o Brasil enfrentou nas últimas semanas já dá sinal de que o tema não é algo a ser pensado na próxima década. É urgente e é para agora. Desde o início deste século, a preocupação com o assunto vem produzindo relatórios, estudos e teses para cientistas e ativistas pelo mundo. No entanto, na última década, manifestações de ativistas como Greta Thunberg e negacionistas do clima como Elon Musk colocam o holofote mais forte sobre a causa.

Para dar luz a esta causa, o Diário do Litoral preparou uma série de reportagens mostrando o que as nove prefeituras da Região têm feito para enfrentar o estado de emergência climática. A Baixada Santista tem um histórico negativo com as mudanças climáticas, causado por chuvas torrenciais, enchentes, deslizamento de terra nos morros e avanço do mar. Por isso, começamos nossa série com a cidade de Santos, que foi a primeira do Brasil a se preocupar com o tema criando o Plano Municipal Mudanças Climáticas, em 2016.

Um ano depois, em 2017, Santos criou a Seção de Mudanças Climáticas (Seclima/Semam), com o objetivo de aprofundar as parcerias científicas, ampliar o conhecimento sobre as ações mitigadoras e criar uma política pública sobre o tema. E em janeiro de 2022, houve uma atualização do documento e foi lançado o Plano de Ação Climática de Santos (Pacs) contendo 50 metas para serem cumpridas entre 2025 e 2050.

O Pacs é uma iniciativa em parceria com a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ) e tem metas direcionadas para 8 eixos: planejamento urbano sustentável e meio ambiente; redução de vulnerabilidades e gestão de riscos climáticos (desastres naturais); inclusão e redução da vulnerabilidade social; resiliência urbana e soluções baseadas na natureza; resiliência na zona costeira, estuário, praia, rios e canais; gestão de infraestrutura (incluindo recursos hídricos, saneamento, transporte e estrutura portuária); inventário de emissões de gases de efeito estufa (GEE) e plano municipal de mitigação de GEE; e governança e participação na gestão climática.

Entre os objetivos estabelecidos estão a revisão do Plano Diretor e da Lei do Uso e Ocupação do Solo, levando em consideração as questões climáticas; a elaboração do plano habitacional para áreas de risco; o cultivo de 10 mil árvores; e a substituição de, pelo menos, 20% da frota do serviço público de transporte de passageiros por veículos não emissores, reduzindo a emanação de poluentes e de ruídos urbanos.

Outra ação importante colocada em prática pela Prefeitura de Santos é o projeto de instalação de 49 geobags submersos, na Ponta da Praia. Desenvolvida pela Unicamp desde 2018, a ideia é pioneira no País. “É uma das ações do Município para o enfrentamento das mudanças climáticas e o projeto-piloto tem como objetivo conter a erosão e, consequentemente, minimizar os efeitos das ressacas”, complementa a Administração Municipal. A iniciativa é acompanhada pelos pesquisadores da universidade, que em setembro de 2022 apontaram um aumento de 8,9 centímetros de altura de areia na área onde eles foram instalados.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Planejamento para o próximo verão.

A onda de calor que atingiu o País já fez a Cidade se preparar com ações preventivas para o próximo verão, que deve contar com a influência do fenômeno El Niño, com tempestades mais intensas e grandes volumes de chuva. “Para isso, atua com rigor no controle em ocupação em áreas de risco, indicações de obras de segurança, manutenção e drenagem, realizados por uma ação integrada de várias secretarias municipais”, explica através de nota encaminhada à reportagem do Diário do Litoral. Confira mais projetos que a Prefeitura tem trabalhado para enfrentar o estado de emergência climática.

Pacto Global pelo Clima.

Desde junho de 2022, o prefeito Rogério Santos e a Cidade integram o Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e a Energia (Global Covenant of Mayors for Climate & Energy - Gcom, em inglês). Trata-se de uma aliança global de cidades e governos locais que voluntariamente se comprometem com a luta contra a mudança climática. As estratégias envolvem a redução de emissão de gases de efeito estufa (GEE), diminuindo os impactos inevitáveis da ação do homem na natureza e facilitando o acesso à energia sustentável e a preço acessível a todos.

Com a assinatura da carta de compromisso ao pacto, a Cidade deverá seguir alguns passos durante os próximos três anos: a criação de um inventário de emissões de GEE a nível municipal; uma pesquisa sobre os riscos e vulnerabilidades climáticas, a apresentação de metas com limites temporais para reduzir ou limitar as emissões, entre outras.

A Administração santista saiu na frente em outras questões. Santos é a primeira cidade do mundo a estabelecer a cultura oceânica como política pública (Lei Municipal nº 3.935 de 2021). O foco é a inserção de conhecimentos sobre oceanos e preservação da vida marinha em diferentes formas de atividades pedagógicas na rede municipal de ensino.

Drenagem x alagamentos.

O grande problema de Santos está nos alagamentos enfrentados pela população da Zona Noroeste. Chuvas intensas ou um simples pico de maré alta deixam os moradores daquela região ilhados. Pensando nisso, a Prefeitura realiza também obras de micro e macrodrenagem.

“Região tem pontos de alagamento devido ao fato da maior parte da área se encontrar abaixo do nível das marés mais altas. Para resolver essas questões, a Prefeitura executa um conjunto de ações por meio dos programas Santos Novos Tempos e Nova Entrada de Santos, que já garantiu a substituição das tubulações por estruturas maiores, desobstrução e limpeza regular do sistema”, explica a Administração.

Também focando neste problema, em maio de 2023, foi inaugurada a primeira Estação Elevatória com Comportas (EEC) - construída no final da Avenida Haroldo de Camargo (bairro Castelo) - do programa de macrodrenagem da Prefeitura. A estrutura consiste em um sistema de combate a enchentes composto por três bombas, uma estação elevatória, um canal e uma comporta. O sistema tem como objetivo conter alagamentos, com chuva forte ou fraca associada à maré alta ou baixa. Quando acionada, beneficia os bairros Castelo e Areia Branca, na Zona Noroeste em Santos, além do Jardim Guassu, em São Vicente. A obra somou investimentos de R$ 38,1 milhões.

Para ampliar o sistema de macrodrenagem, o Município prevê a construção de mais 4 estações elevatórias com comportas e o desassoreamento e contenção das margens do Rio dos Bugres, além da remoção e transferência de 864 famílias para um novo conjunto habitacional (Santos V, no Estradão). As intervenções fazem parte do Programa de Macrodrenagem, Acessibilidade, Inovação e Sustentabilidade – Santos MAIS, cujos investimentos estão previstos em financiamento internacional junto ao banco CAF.

Morros.

Outro problema crônico na Cidade vem dos deslizamentos de terra nos Morros. O Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC) foi encerrado em 30 de abril com registro de 84 ocorrências, contabilizadas desde 1º de dezembro de 2022. A temporada mais chuvosa do ano passou sem ocorrências de maior gravidade na Cidade. É o resultado das vistorias preventivas 24h pela Defesa Civil e aos investimentos na recuperação de áreas atingidas e medidas preventivas.

Entre março de 2020 e março de 2021, a Prefeitura concluiu 11 obras em encostas. Essas intervenções somaram R$ 19,3 milhões. Santos continuou investindo na reconstrução das áreas atingidas pelas fortes chuvas do início de 2020 – quando houve 8 mortes na Cidade - e na prevenção de novos acidentes. “Destaque para seis obras emergenciais (a partir de 2021), que totalizaram R$ 16,6 milhões, nos morros São Bento, Pacheco, Boa Vista, Penha e Fontana”, complementa.

Desde o ano passado (2022), como parte do programa Santos Mais Bonita, estão sendo investidos cerca de R$ 100 milhões em obras de contenção de encostas, drenagem, zeladoria e acessibilidade, beneficiando mais de 30 mil pessoas nos morros do Pacheco, Jabaquara, Saboó, São Bento, Vila Progresso, Monte Serrat, Marapé, Nova Cintra, Fontana, Santa Maria e Penha. Ao todo, quase R$ 150 milhões de investimentos e cerca de 600 famílias removidas de áreas riscos nos Morros desde 2020.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

PROTESTOS

Jogadoras protestam contra retorno de treinador acusado de assédio ao Santos

Kleiton Lima havia deixado o cargo em setembro de 2023, após ser acusado de assédio sexual e moral por 19 jogadoras; Santos recontratou profissional nesta terça

REGIÃO NORTE

Embarcação com vários corpos em decomposição é encontrado no Pará

A Polícia Federal já esta ciente do caso e as investigações já foram iniciadas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter