X
Santos

Novas estruturas reduzem risco de alagamentos em Santos, segundo a Prefeitura

Poços de visita, boias ecológicas, desobstrução do canal e limpeza no sistema de drenagem teriam contribuído para o efeito no bairro do José Menino

A limpeza do canal interno do Orquidário é realizada a cada quatro meses, em média / Divulgação/ PMS

A Prefeitura de Santos divulgou através de seu canal oficial, nesta quinta-feira (18), que a construção de sete poços de visita no interior do Orquidário Municipal de Santos reduziu consideravelmente o risco de alagamentos em certas ruas no José Menino. Segundo eles, as ruas Santa Catarina, Décio Stuart, Rio Grande do Sul e imediações foram beneficiadas por essa obra, especialmente em dias de chuvas de maior intensidade.

Poços de visita são aberturas em áreas públicas, utilizadas para facilitar o acesso a redes de drenagem, saneamento, hidráulica, elétrica ou de telecomunicações. “Em muitas ocasiões, a CET impedia o trânsito de veículos e não se conseguia andar nem mesmo nas calçadas”, comentou Wagner Ramos, titular da Seserp (Secretaria de Serviços Públicos), lembrando que a construção dos sete postos demandou 45 dias de trabalho, envolvendo equipes do Deserp (Departamento de Serviços Públicos) e da Subprefeitura da Zona da Orla e Intermediária (Sup-ZOI).

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.     

Em pesquisas e avaliações no Orquidário, identificou-se que o seu sistema de drenagem, que desemboca no canal da Alameda Barão de Penedo, além de insuficiente para receber o volume de água, encontrava-se totalmente obstruído. Com isso, a água proveniente do Morro José Menino, captada pelo canal da Rua Washington, que se interliga ao sistema do Orquidário e daí para a Barão de Penedo, ficava retida. “Dessa forma, extravasava do canal da Rua Washington e ia alagando as vias próximas”, prosseguiu o secretário.

Providências

Após a construção dos poços de visita no interior do Orquidário, o canal da Rua Washington recebeu uma boia ecológica, que retém detritos mais leves, a exemplo de garrafas PET e pedaços de madeira, e duas grades para evitar a entrada de lixo no sistema de drenagem, conforme explicou Alan Kardec Chagas de Araújo, assessor técnico do Deserp.

Na sequência, uma equipe com 11 funcionários da Prodesan, coordenada pela Seserp, realizou trabalho manual de desobstrução do canal interno do parque, que retirou cerca de 117 toneladas de lama e folhagens. Também foram utilizados 118 mil litros de água para a limpeza do sistema.

No serviço de desobstrução, não houve uso maquinário, frisou o assessor técnico, já que o barulho do motor poderia causar incômodo à fauna. Todo o material retirado foi ensacado para descarte posterior, evitando a deposição nas alamedas, o que poderia atrair a curiosidade dos animais e aves.

Repasse

Esta semana, três equipes promovem o trabalho de repasse na limpeza do sistema de drenagem do Orquidário, que deverá estar concluído na próxima terça-feira – os serviços não são realizados no sábado, tendo em vista o grande número de visitantes. A limpeza do canal interno do parque é realizada a cada quatro meses, em média, com atendimento abreviado de acordo com as necessidades.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Saúde ampliou condições especiais em contrato de entrega de vacinas infantis

Um contrato é para o armazenamento de vacinas da Pfizer contra a Covid-19, e o outro, para o transporte, ambos numa temperatura de -90ºC a -60ºC. O valor dos serviços é de R$ 62,2 milhões

Guarujá

Praça das Bandeiras recebe Feira de Adoção de Animais

Atração acontece nesta sexta-feira (28) e sábado (29), das 12 às 17 horas

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software