Fundo pode salvar Aquário e Orquidário de situação difícil

Equipe da Semam apresenta relatório mostrando situação dos dois principais parques públicos

Comentar
Compartilhar
04 JUN 2017Por Carlos Ratton11h00
A iniciativa pode ajudar os equipamentos atravessarem difícil momentoA iniciativa pode ajudar os equipamentos atravessarem difícil momentoFoto: Divulgação

Na última quinta-feira (1), foi aprovado pela Câmara o projeto de lei, de autoria do Executivo, que institui o Fundo Especial para Desenvolvimento dos Parques (FEPAR).

A proposta seguiu para sanção do prefeito e o Fundo terá como objetivo prover recursos para custeio de ações de manutenção, conservação, desenvolvimento, modernização e aprimoramento dos parques sob gestão da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam).

A iniciativa pode ajudar os equipamentos atravessarem difícil momento. Segundo relatório de mais de 20 páginas, da equipe financeira da Semam, apresentado recentemente à Prefeitura e obtido na íntegra pelo Diário do Litoral, os parques municipais (Aquário e Orquidário) entraram numa fase difícil por falta de pagamento de concessionárias; extinção de contratos de alimentação e falta de medicamentos necessários aos animais; transporte de valores e controle de acesso; ausência total de manutenção geral; falta de recursos para pagamento de pessoal; demissão de bolsistas da frente de trabalho.

Procurada na última sexta-feira (2), a Semam acredita que a aprovação do Fepar contribuirá para uma melhor gestão e aprimoramento dos trabalhos desenvolvidos nos parques da Cidade.

Números

Conforme a equipe, o valor de custeio anual do Aquário e Orquidário é de pouco mais de R$ 6,4 milhões (R$ 6.452.967,29). No entanto, desde 2016, a verba deixou de entrar na pasta, que vem sendo impossibilitada de manter os serviços de manutenção dos equipamentos mais tradicionais do Município. Nem os repasses das bilheterias estão sendo realizados. Situação que o projeto de lei pretende corrigir.

Texto e imagens

Repleto de fotografias, o relatório mostra a sensível queda de investimentos desde 2014, quando o orçamento da Semam era R$ 26,9 milhões (26.904.000,00), passando para R$ 26,3 em 2015 (2,18% a menos do que o ano anterior), depois R$ 25,9 em 2016 (1,52% a menos do que o ano anterior).

A equipe explica ainda que o aumento dos valores com despesas de pessoal da Semam de 2015 para 2016 foi de 12,60% (R$ 1.724.000,00) e o aumento do salário dos servidores foi de 11%. “Os valores com despesas de pessoal dos parques não foram repassados à Semam. Com certeza, teremos problemas com falta de recursos para pagamento de funcionários ao final do atual exercício (2017)”, informava o relatório, anterior a aprova- ção do Fundo na Câmara.

Orquidário

Bancos e luminárias quebradas; bebedouros com vazamentos; corrimãos sem manutenção e quebrados; lanchonete sem porta; extintores vencidos e brinquedos quebrados no Playground, colocando crianças em risco, são apenas uma pequena parte dos problemas levantados no relatório sobre o Orquidário.

No local onde são preparadas as refeições dos animais há armários enferrujados, portas quebradas, geladeiras em péssimo estado e, na quarentena, existe pontos de ferrugem e infiltrações. As unidades de Botânica e Educação Ambiental também apresentam diversos problemas, pondo em risco funcionários e visitantes.

“No Pavilhão das Orquídeas não há como fazer a limpeza do espelho d’água, pois os ralos estão entupidos. Há infiltração e umidade, sendo necessários urgentes reparos. No Viveiro de Orquídeas foram instalados ventiladores, porém, não foi colocada a fiação elétrica. As pias não tem sifão”, aponta o relatório.

Aquário

No Aquário, a situação não é diferente: água sem escoamento; fiação precária; freezer enferrujado; janelas, grades, telhados e exaustores quebrados; vazamentos, ausências de corrimãos; espelhos d´água entupidos; ferrugem, toldos soltos e outras dezenas de problemas. Entre janeiro e março do ano passado, as bilheterias dos dois parques arrecadaram pouco mais de R$ 703 mil. “Que não foram utilizados nem no Aquá- rio, nem no Orquidário”, conclui o documento