SEDUC

Ciúme pode ter motivado homicídio de universitário

Jovem que tinha relacionamento com a vítima dá testemunho à Polícia Civil. Indícios colhidos indicam que o criminoso premeditou o homicídio e surpreendeu a vítima

Comentar
Compartilhar
05 FEV 201511h01

A morte do universitário Matheus Demétrio Soares, de 19 anos, perto da entrada da Universidade Santa Cecília (Unisanta) na noite de terça-feira, pode ter sido um crime passional. A Polícia Civil trabalha com essa linha de investigação e ouviu ontem, na condição de testemunha, uma jovem que mantinha um relacionamento casual com o estudante.

Detalhes do conteúdo do depoimento da jovem não foram revelados pela polícia para não prejudicar as investigações. Outras nove pessoas também já foram ouvidas no inquérito.
Os indícios colhidos nessa fase inicial da investigação indicam que o criminoso premeditou a execução e surpreendeu a vítima. “Tão logo o atirador realizou o disparo de arma de fogo, ele fugiu do local, permanecendo a vítima na posse de todos os seus objetos”, afirma o delegado Luiz Ricardo Lara Dias Júnior, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

Estudante do 2º ano de Sistemas de Informação na Unisanta, Matheus estava com colegas na Rua Oswaldo Cruz, próximo à esquina com a Rua Lobo Viana, quando foi surpreendido pelo atirador, que não se intimidou com o fato daquela região estar com uma grande aglomeração de pessoas devido ao trote de início de ano letivo e uma festa com uma banda.

“Algumas testemunhas disseram que ele (atirador) balbuciou algo no ouvido da vítima de forma bem breve e logo em seguida fez o disparo”, detalhou o delegado.

O tiro foi nas costas, perfurou o pulmão e atingiu a veia aorta. O criminoso escapou do local rapidamente.

A polícia ainda aguarda confirmação de laudo, mas ao que tudo indica o homem usou um revólver de calibre 38.

Despedida na Igreja Presbiteriana, no Campo Grande, foi marcada pela comoção e pela indignação (Foto: Matheus Tagé/DL)

Imagens de monitoramento estão sendo analisadas pela DIG na tentativa de identificar o autor do crime.

O delegado ressalta a importância das pessoas que presenciaram o homicídio procurarem a polícia para o esclarecimento completo do caso. A DIG de Santos fica no Palácio da Polícia, que é situado na Avenida São Francisco, 136, no Centro de Santos.

Homenagens

O corpo do estudante foi sepultado ontem à noite no Memorial de São Vicente, após velório na Igreja Presbiteriana de Santos, no bairro Campo Grande. O clima nas homenagens foi de comoção e indignação.

“Uma parte do nosso sorriso foi embora”, lamentou Rodrigo Silva, amigo de Matheus.

Para Rodrigo, o amigo sempre será lembrado pela alegria. “Ele estava sem brincando, sempre sorrindo. Tinha um futuro bom”.

Nas redes sociais, a morte teve uma grande repercussão.

A Unisanta deteminou luto oficial de três dias e manteve as aulas. Declarou, em nota, que colabora com as investigações e que vai debater soluções conjuntas e efetivas com as autoridades na tentativa de evitar episódios como esse.