Eduardo Moscovis é o protagonista do drama nacional O Outro Lado do Paraíso

Filme se passa no período do golpe militar contra o presidente João Goulart e é baseado no livro autobiográfico de Luiz Fernando Emediato

Comentar
Compartilhar
15 JUN 2016Por Da Reportagem12h56
O Outro Lado do Paraíso está em cartaz em Santos no Espaço Unibanco MiramarO Outro Lado do Paraíso está em cartaz em Santos no Espaço Unibanco MiramarFoto: Divulgação

Eduardo Moscovis é o protagonista de O Outro Lado do Paraíso, um drama nacional dirigido por André Ristum, que foi lançado no último dia 2 de junho.

Antônio (Eduardo Moscovis) faz o que pode para conseguir dinheiro para o sustento do lar. Já tentou garimpo, bicos diversos, e agora pensa ter encontrado finalmente seu lugar: Brasília. Atraído pelas promessas do presidente João Goulart e pela ampla oferta de emprego, ele se muda para a capital com a esposa e os filhos. O sonho da prosperidade, no entanto, é interrompido pelo golpe militar e Antônio, envolvido com o sindicalismo, começa a viver um pesadelo.

O filme é baseado no livro autobiográfico de Luiz Fernando Emediato, lançado em 1981.

O longa marca a reabertura do Polo Cinematográfico de Brasília, que permaneceu fechado por 12 anos.

Uma das curiosidades é que o filme contém imagens inéditas do golpe de 1964, registradas pelo cinegrafista Jean Mazon.

Ao custo de R$ 7 milhões, o O Outro Lado do Paraíso é a produção mais cara já produzido na capital federal.

Leia tudo sobre o filme no site www.outroladodoparaiso.com.br.

Em Santos, o filme está em cartaz no Espaço Unibanco Miramar, Sala 1. Sessões às 13h30, às 17h50 e às 20 horas. O endereço é Av. Marechal Floriano, 44, no Gonzaga.

Sobre André Ristum

André Ristum começou a trabalhar em cinema na Itália, em 1991 e em 1995 atuou como assistente de direção de Bernardo Bertolucci em “Beleza Roubada”. No ano seguinte, foi assistente de direção de Rob Cohen, em “Daylight”. Em 1997, foi para Nova York estudar cinema na School of Continuing Education da New York University. A partir de 1998 dirigiu vários curtas e longas documentário premiados: “Pobres por um dia”, “Homem voa?” (Melhor direção na Mostra de Goiânia e Melhor filme do Festival de Campo Grande), “Tempo de resistência”, “De Glauber para Jirges” (selecionado Hors Concours no Festival de Veneza e vencedor de vários prêmios no Brasil), “14 Bis”(Melhor filme na Mostra de Goiânia e no Festival de Cabo Frio) e “Nello’s” (vencedor do prêmio Canal Brasil no Festival É Tudo Verdade). Em 2011 lançou seu primeiro longa de ficção, “Meu País” (vencedor de seis prêmios no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, dentre os quais o de Melhor diretor e de melhor filme pelo público, e Melhor Filme de 2011 do Prêmio FIESP-SESI de Cinema de 2012).

Sobre Luiz Fernando Emediato

Luiz Fernando Emediato nasceu em 1951 em Belo Vale, MG, e passou toda a infância e parte da adolescência numa vida errante pelo interior do estado, porque o pai, Antonio Trindade, jamais criou raízes, apesar de ser filho e genro de fazendeiros. Em 1963, Antonio trocou a casa por um caminhão e foi para Brasília, que ainda estava em construção. Ali foi preso, em abril de 1964, por causa do golpe militar, e depois voltou para a fazenda do sogro, de onde afinal saiu, logo em seguida, carregando a família, para novas aventuras. A saga dessa família anônima, cujos sonhos são destruídos pelo golpe militar de 64, inspirou Emediato – já escritor – a escrever o livro “O outro lado do paraíso”, que serviu de base para o roteiro do filme de mesmo título, dirigido por André Ristum.