'A massa quer respeito à família', diz Bolsonaro sobre veto à propaganda do Banco do Brasil

"A linha mudou. A massa quer o quê? Respeito à família. Ninguém quer perseguir minoria nenhuma, nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira".

Comentar
Compartilhar
27 ABR 2019Por Folhapress18h33
Trecho que propaganda do Banco do Brasil, vetada por Bolsonaro.Trecho que propaganda do Banco do Brasil, vetada por Bolsonaro.Foto: Reprodução/Youtube

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse neste sábado (27) que não tolerará propagandas de estatais que não sigam a sua linha ideológica, mesmo depois de o governo ter recuado da iniciativa de impor análise prévia de campanhas publicitárias.

"Quem indica e nomeou o presidente do Banco do Brasil? Sou eu? Não preciso falar mais nada, então", afirmou o presidente durante visita à Cidade Estrutural, na periferia de Brasília.

"A linha mudou. A massa quer o quê? Respeito à família. Ninguém quer perseguir minoria nenhuma, nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira".

Questionado sobre como pretende controlar o conteúdo veiculado, ele disse que as autoridades de seu governo terão de respeitar a sua orientação.

"Por exemplo, meus ministros, eu tinha uma linha armamentista, eu não sou armamentista? Então, ministro meu ou é armamentista ou fica em silêncio", determinou. "É a regra do jogo."

Nesta semana, Bolsonaro mandou tirar do ar uma campanha publicitária do Banco do Brasil dirigida ao público jovem com atores que representavam a diversidade racial e sexual.

No ar desde o início de abril, a propaganda foi suspensa no último dia 14 depois que o presidente assistiu ao filme. No comercial, os atores são quase todos jovens, há mulheres e homens negros, e uma das personagens é transexual. Muitos aparecem com tatuagens e cabelos coloridos.

"Não é a minha linha, vocês sabem que não é a minha linha", disse o presidente.

Além de determinar a suspensão, ele telefonou para o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, para solicitar a demissão do diretor de marketing da instituição financeira, Delano Valentim.

Depois do episódio, o governo decidiu que empresas estatais deveriam submeter previamente à avaliação da Secom (Secretaria de Comunicação Social) campanhas publicitárias de natureza mercadológica.

A orientação foi dada a companhias públicas em email enviado pelo secretário de publicidade e promoção da Secom, Glen Lopes Valente, na quarta-feira (24). De acordo com ele, a instrução normativa que disciplina a publicidade federal seria atualizada, em momento oportuno, com a inclusão da determinação.

Horas depois de a notícia ser divulgada pela imprensa, nesta sexta-feira (26), porém, o governo recuou.

A Secretaria de Governo, a quem a equipe de comunicação está subordinada, informou que a Secom não observou a Lei das Estatais e que não caberia à administração direta intervir no conteúdo de publicidade.

"A Secom, ao emitir o email veiculado, não observou a Lei das Estatais, pois não cabe à administração direta intervir no conteúdo da publicidade estritamente mercadológica das empresas estatais", disse.

Na tarde de sexta, assessores presidenciais já reconheciam que a análise prévia poderia ser questionada juridicamente, uma vez que ela representava interferência indevida em empresas de capital misto.

Segundo relatos feitos à reportagem, a repercussão negativa da orientação também influenciou no recuo, que foi ordenado por Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo.