Brasil

Cheias no Sul podem comprometer abastecimento de alimentos no Brasil

Especialista aponta que plano de ação governamental precisa conceder crédito emergencial e ampliar acesso ao seguro agrícola

Da Reportagem

Publicado em 13/05/2024 às 11:18

Comentar:

Compartilhe:

Setor agropecuário já soma prejuízos de R$ 570 milhões / Maurício Tonetto/GovRS

A enchente no Rio Grande do Sul deixou marcas de destruição por todo o Estado. Vidas foram perdidas, bairros e cidades inteiras estão sob as águas, e a agropecuária, forte seguimento econômico, perdeu, além da safra, animais e infraestruturas, comprometendo o abastecimento da alimentação básica, como o arroz e feijão, para o país.

Para Luiz Felipe Baggio, consultor jurídico, especialista em Planejamento Sucessório e Proteção Patrimonial, os desafios das enchentes para o agronegócio ameaçam tanto as colheitas locais quanto a estabilidade do abastecimento nacional. “Isso porque os principais impactos são danos às produções agrícolas, às infraestruturas, críticas para o setor, e interrupções logísticas, que podem levar a uma inflação dos preços para o consumidor”, afirma.

Como medida emergencial, a União deve facilitar a importação de arroz e feijão para evitar eventuais altas e minimizar o desabastecimento.

Para o consultor, um plano de ação governamental consistente poderia ser composto de políticas proativas, “como a concessão de crédito emergencial aos produtores, a reconstrução de infraestruturas essenciais e a ampliação do acesso ao seguro agrícola, a fim de mitigar esses desafios e acelerar a recuperação econômica do setor”.

Baggio entende que a obtenção de linhas de crédito emergenciais, bem como a ampliação do acesso ao seguro agrícola, poderia ser intermediada, com a possível intervenção subsidiária, pelo Governo Federal, entre produtores e fornecedores desses produtos financeiros.

Para ele, as negociações poderiam envolver os setores que performaram muito bem nesta última safra, a exemplo do café e da cana-de-açúcar.

“Talvez por meio de alguma renúncia fiscal, sobretudo no IRPJ/CSLL das usinas, por exemplo, poderia vir o recurso para custear parcialmente esses produtos junto às instituições financeiras que os fornecem. O grande obstáculo para isso, de qualquer modo, seria a política de austeridade fiscal praticada pela gestão Haddad, mas, que em uma situação de calamidade pública como a que se apresenta, deveria se justificar”, diz Baggio.

Setor tem perdas de R$ 570 milhões

Números atualizados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), divulgados nesta terça-feira (7/5) apontam que as chuvas no Rio Grande do Sul causaram perdas de quase R$ 570 milhões para o setor produtivo no Estado. Desse montante, R$ 435 milhões são prejuízos estimados para o setor agrícola, e outros R$ 134,7 milhões para a pecuária gaúcha. Considerando todos os setores da economia do Rio Grande do Sul, o prejuízo causado pelas enchentes totaliza R$ 4,6 bilhões.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Litoral de SP é cenário perfeito para avistamento de baleias; veja praias e regras

Segundo o Ministério do Turismo, a prática atrai, aproximadamente, dez mil turistas por ano e movimenta cerca de R$ 3 milhões

Bertioga

Com custeio do Estado, Hospital de Bertioga atenderá todo Litoral de SP

Governador visitou as obras do novo complexo hospitalar e confirmou o compromisso do governo estadual

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter