'Sofri uma verdadeira atrocidade', diz Valter Suman

Prefeito chega ao Paço Municipal pela primeira vez desde que foi preso e afirma que investigação apontará a quem sua detenção interessa 

Comentar
Compartilhar
20 SET 2021Por LG Rodrigues10h39
Válter Suman retorna ao Paço Municipal após alvará de solturaVálter Suman retorna ao Paço Municipal após alvará de solturaFoto: Nair Bueno/ Diário do Litoral

O prefeito de Guarujá , Válter Suman, afirma que sua prisão foi uma 'verdadeira atrocidade' e diz não ter dúvidas que investigação apontará a quem o ocorrido poderia beneficiar. A declaração foi dada nos primeiros minutos após seu retorno ao Paço Municipal na manhã desta segunda-feira (20). Ele participará de uma reunião com seus secretários, exceto Marcelo Nicolau, durante o dia.

O retorno do chefe do Executivo à Prefeitura acontece seis dias após Suman e o secretário de Educação do Município, Marcelo Nicolau, terem sido presos, em flagrante, em decorrência de uma operação da Polícia Federal (PF). A operação apura um esquema de desvios de dinheiro na área da saúde e agentes da instituição encontraram uma grande quantia de dinheiro escondida no apartamento de Nicolau.

As declarações foram dadas por volta das 10h10. Suman chegou à Prefeitura de Guarujá pelo estacionamento dos fundos e foi acompanhado por seu advogado, Edson Asarias, e integrantes da assessoria de imprensa.

"Eu estou voltando à Prefeitura de Guarujá muito mais determinado e com muito mais vontade de trabalhar em nome da Cidade, que foi o que eu sempre fiz", declarou. "A quem interessa o que aconteceu será em breve disponibilizado a todos vocês. O desembargador havia negado qualquer ação da forma como foi executada na minha casa. Ele deu apenas uma determinação de busca e apreensão, jamais prisão", acrescentou Suman,

"Vou continuar fazendo o que sempre fiz desde que cheguei a Guarujá e principalmente como gestor público. Fui eleito e reeleito vereador, fui eleito e reeleito prefeito com as maiores votações históricas dessa cidade, aprovada pela população. Passei por uma verdadeira atrocidade, me expuseram. Foram frontalmente criticados pelo conselho de justiça, o conjunto, que repudiou a forma pela exposição na qual me colocaram", relatou Suman.

O prefeito de Guaruja afirma que está sendo orientado por seus advogados e explicou que, por determinação da Justiça, não poderá se comunicar com o secretário de educação, Marcelo Nicolau. Ele foi o único chefe de pasta que não participou da reunião do começo da manhã desta segunda-feira.

Em contrapartida, o chefe do Executivo guarujaense garantiu que o município não deverá 'parar de caminhar' e garante que "todos os investimentos realizados na cidade seguirão seu curso normalmente".

"Repito, estou muito mais fortalecido e convoquei todo meu secretariado para termos uma reunião de trabalho. Guarujá, a cada dia que passa, tem prosperado, nossos índices têm melhorado, seja em qualquer área da educação, saúde, habitação, transporte público, iluminação pública, nós estamos nos orgulhando. Tem grupos, ou a quem possa interessar, que estão tentando denegrir, a imagem da cidade e me atacar politicamente, desconstruir uma vida vitoriosa em que eu vinha caminhando politicamente", explica Suman.

Quanto aos valores apreendidos durante a operação da Polícia Federal, o prefeito afirmou não ter dúvida de que se trata de dinheiro limpo.

"Eu sou médico já faz 36 anos e quero deixar claro a todos vocês que sempre tive uma vida de muito trabalho e como gestor público a mesma forma. Tenho dois filhos médicos, duas noras médicas e tenho certeza absoluta que os valores que foram encontrados são fruto de trabalho, nosso trabalho desde o início, 1998, quando adquiri uma propriedade rural e essa propriedade rural sempre produziu, mesmo que em pequenas quantidades, anualmente", justificou.

"Sempre tive uma declaração de renda totalmente documentada, comprovada, que somam valores até de R$ 400 mil reais por mês com o meu trabalho profissional. Então eu construí um patrimônio ao longo da minha vida, meus dois filhos construíram patrimônio longo da minha vida, e os valores encontrados são fruto de trabalho e de negócios que a gente tem tido desde 1998, tudo declarado".

Impeachment

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) de Guarujá protocolou, nesta segunda-feira (20), na Câmara, um pedido de impeachment do prefeito Válter Suman (PSDB). O pedido foi protocolado com base no inquérito da PF e na denúncia do Ministério Público Federal relacionados a contratos na área da Saúde firmados pela Prefeitura de Guarujá com empresas e a organização social Pró-Vida.

Ainda durante a segunda-feira (20), a Câmara de Guarujá recebeu dois pedidos de impeachment contra Valter Suman. Ambos serão levados ao plenário, onde serão debatidos pelos parlamentares ainda durante esta terça-feira (21). Em um dos pedidos, o autor destaca que Suman não pode ficar à frente do Executivo guarujaense porque ele seria uma 'ameaça aos cofres públicos'.