PROGRESSO

Ministro fará vistorias nas obras do Aeroporto de Guarujá na segunda-feira

O contrato firmado entre a Prefeitura e a Terracom para a primeira fase das obras também prevê melhorias na drenagem das instalações da Base Aérea

Nilson Regalado e Igor de Paiva

Publicado em 09/03/2024 às 07:15

Atualizado em 20/03/2024 às 15:05

Comentar:

Compartilhe:

A Terracom também vai implantar três mil metros lineares de cerca, a fim de evitar a invasão da fauna silvestre / PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

O ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, vai vistoriar as obras do futuro Aeroporto Metropolitano do Guarujá, que compartilhará as operações de pouso e decolagem com a Aeronáutica na Base Aérea de Santos. A visita acontecerá na manhã da próxima segunda-feira (11).

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Após a passagem pelo Guarujá, o ministro atravessará o Canal do Estuário e se encontra com o presidente da Autoridade Portuária (APS), Anderson Pomini. As obras do futuro aeroporto civil começaram nesta semana, após a autorização do IV Comando Aéreo Regional. No total, 20 profissionais já executam os serviços de cercamento da futura área para operações civis, recuperação da pista de pouso e decolagem e restauração do piso na área de taxiamento das aeronaves.

O contrato firmado entre a Prefeitura e a Terracom para a primeira fase das obras também prevê melhorias na drenagem das instalações da Base Aérea. O investimento de R$ 19 milhões vai adaptar a unidade militar para que ela possa receber também pousos e decolagens de aviões comerciais com mais conforto e segurança.

A Terracom também vai implantar três mil metros lineares de cerca, a fim de evitar a invasão da fauna silvestre, além de posterior pintura de informações de segurança em todas as áreas de movimentação dos aviões.

SEIS MESES.
As obras nesta primeira fase devem durar seis meses e serão bancadas, exclusivamente, com recursos do Governo Federal. A expectativa é que, em 2025, os primeiros Cessna Caravan 208 com capacidade para dez a 14 passageiros já estejam operando voos diários do futuro Aeroporto Civil Metropolitano para o Rio de Janeiro e Campinas.

Segundo a Secretaria Municipal de Comunicação, os serviços contam com o apoio de equipamentos como retroescavadeira, escavadeira hidráulica, caminhões, equipe de topografia e equipe operacional para mobilização da obra.

Na prática, o aval dado pela Força Aérea Brasileira para o início das obras no último dia 27 determina o zoneamento da área da União onde está instalada, desde dezembro de 1924, a Base da Aeronáutica, batizada inicialmente como Posto de Aviação Naval de Santos. Esse zoneamento definiu as diretrizes da segregação de atividades militares e operações civis no local.

“A Força Aérea cooperou para viabilização do Aeroporto”, resumiu o comandante da Base, coronel Jean Carlo, exaltando o fato de a unidade militar localizada em Vicente de Carvalho ter sido a primeira do gênero no País. Hoje, o Brasil conta com outras 18 bases aéreas.

SONHO DE DÉCADAS.
A adaptação da Base Aérea para que possa receber voos de passageiros era esperada pelas lideranças políticas e empresariais da região há quase quatro décadas, desde que a Rio-Sul Linhas Aéreas parou de voar do Guarujá com destino a São José dos Campos e Rio de Janeiro nos anos 1980.

Mas, o feito do aviador Virginius de Lamare inaugurou, em 1919, a relação de fascínio e de idas e vindas da região com os aviões. E essa conexão começou com os hidroaviões.

O sonho de um aeroporto começou a ser embalado em 1921, quando o deputado federal santista César Lacerda de Vergueiro (1886/1957) apresentou projeto na Câmara dos Deputados visando a criação de uma base aeronaval.

Nessa época, os hidroaviões pousavam na altura da Ponta da Praia. Daí, o destino era a Praia do Góes, o atual bairro da Conceiçãozinha ou a região da Bocaina, em Guarujá.

Nessa época o Governo Federal destinou seis aeronaves para o patrulhamento da costa. À Marinha caberia construir hangares. A pedra fundamental da atual Base Aérea foi lançada em outubro de 1922, as desapropriações começaram em 1923 e as primeiras instalações militares surgiram há exatos 100 anos, em 1924.

Mas, a região chegou a abrigar até uma pista para voos internacionais. Na década de 1930, a Air France operou o aeródromo à beira-mar, no Bairro Aviação, em Praia Grande. Durante a II Guerra Mundial a área foi desapropriada dos estrangeiros.

Também na década de 1930, hidroaviões com capacidade para 20 passageiros faziam voos regulares entre Buenos Aires, Montevidéu e Santos. Em 1938, foi registrada pela Companhia Docas a escala de 625 hidroaviões.

Já em 1947, o deputado estadual Lincoln Feliciano apresentou projeto na Assembleia Legislativa para construção de um aeroporto internacional no Campo da Aviação (na Praia Grande) na área expropriada da Air France. Dois anos depois, um projeto semelhante foi apresentado na Câmara Federal pelo deputado Antônio Feliciano.

Até os anos 1990, a pista que pertenceu aos franceses serviu para treinamento de pilotos civis. Os cursos eram oferecidos pelo Aeroclube de Santos, mas a escola foi desativada devido ao perigo que representava para a vizinhança, já muito adensada.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

São Vicente

Rua de São Vicente será interditada neste domingo, devido a obras da Sabesp; saiba qual

Agentes de trânsito estarão no local orientando os motoristas

Cotidiano

Confira o resultado da Lotomania no concurso 2637, nesta sexta (21)

O prêmio é de R$ 9.800.000,00

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter