X
Guarujá

Amor pela Educação: professora leciona em casa de aluna com deficiência neuromuscular

Maria Clara Freire dos Santos, 9 anos, está matriculada no 3º ano do ensino fundamental da Escola Municipal Afonso Nunes, no Parque Estuário

A pequena tem 9 anos e está matriculada no 3º ano da Escola Municipal Afonso Nunes (Parque Estuário), em Vicente de Carvalho, local onde estuda desde 2019 / Divulgação/PMG

Sexta-feira, 15 de outubro, Dia do Professor. Profissional fundamental na sociedade, e que pode se tornar mais que essencial na vida de seus alunos. Em Guarujá, um belo exemplo dessa relação entre professor e aluno é a história da professora de educação especial da rede municipal de ensino, Karina Alves Lima Souza, 47 anos.

De segunda a sexta-feira, por duas horas, ela se desloca até à casa da aluna Maria Clara Freire dos Santos. A pequena tem 9 anos e está matriculada no 3º ano da Escola Municipal Afonso Nunes (Parque Estuário), em Vicente de Carvalho, local onde estuda desde 2019.

Clarinha, como é carinhosamente chamada, não pode ir à escola porque possui amiotrofia muscular espinhal (AME) tipo 1,– Síndrome de Werdnig-Hoffmam, doença que se caracteriza pela atrofia e fraqueza muscular progressiva, com comprometimento dos movimentos. Por este motivo, recebe atendimento domiciliar escolar especializado – serviço educacional desenvolvido na residência da aluna, que não pode participar das aulas nos espaços escolares, pelo impedimento físico que impossibilita sua permanência e frequência às aulas, como é o caso da Maria Clara.

No entanto, as limitações de Clarinha não a impedem de seguir aprendendo. Karina desenvolve aulas de leitura, contação de histórias, atividades artísticas e musicais, além de conteúdos temáticos, letramento, jogos e conhecimentos gerais. Sempre com auxílio de outra pessoa, a aluna também faz atividades manuais a exemplo da pintura, escrita, recortes e até colagens. "A Clarinha é uma criança que gosta de novidades. Demonstra ótima compreensão, boa audição e memorização e tem o raciocínio lógico aguçado", conta a professora.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Por não conseguir andar, falar ou se alimentar, sem o uso da sonda, a troca entre educadora e aluna é feita através de códigos. Ao dizer sim, Maria Clara pisca os olhinhos. Para uma resposta negativa, mantêm os dois olhos abertos. Quando demonstra insatisfação, volta o olhar para cima.

"Seus olhos são seus meios de comunicação, de lição, de força e também de expressão. Através deles, ela tem um mundo de possibilidades e descobertas. Eu que sou grata por ser sua professora e aprendo muito com ela todos os dias", comenta Karina que já acompanha a aluna há três anos.

A mãe de Maria Clara, a maquiadora Roberta da Silva Freire explica que se pudesse avaliar Karina, com certeza daria nota mil. "As aulas da Karina não são apenas educativas são mágicas". Ainda conforme Roberta, o trabalho da educadora a enche de alegria, de esperança, além de mostrar o direito à educação. "Mesmo que, futuramente, ela não seja mais professora da Maria Clara, quero que ela continue nas nossas vidas, por ser uma pessoa especial. Seria maravilhoso se todas as crianças tivessem uma Karina em suas vidas".

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Neymar vence prefeitura de Santos em briga judicial

A Neymar Sport e Marketing tem como sócios Nadine Gonçalves e Neymar da Silva Santos, pais do atleta do Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira

Brasil

Governo: Mário Frias contrata por quase R$ 4 milhões empresa sem licitação e sem funcionários

A sede da empresa seria uma caixa postal em um escritório virtual a 2.400 km do Rio de Janeiro

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software