Valorizado, Lucas Lima não descarta Cruzeiro e ressalta volta por cima

Com vínculo até dezembro de 2017 com o time da Vila Belmiro, o meia é ‘fatiado’ em três partes

Comentar
Compartilhar
30 ABR 201518h08

Titular absoluto e líder de assistências no elenco santista, Lucas Lima comemora o melhor memento de sua carreira em meio às finais do Campeonato Paulista. Sua performance em campo tem chamado atenção desde o segundo semestre do ano passado e fez, inclusive com que o Cruzeiro admitisse a intenção de tirar o atleta do Peixe.

"Fico feliz sobre o interesse, para mim não chegou nada ainda, tenho contrato com o Santos, estou vivendo o meu melhor momento no Santos, jogando a final, como sempre quis", comentou o camisa.

Com vínculo até dezembro de 2017 com o time da Vila Belmiro, Lucas Lima é ‘fatiado’ em três partes. O alvinegro praiano detém 50% de seus direitos econômicos, 40% pertencem ao grupo de investimentos Doyen Sports e os 10% restantes são da Khodor Soccer, empresa que pertence ao empresário.

"Se o presidente não me liberar, não posso falar. O meu desejo é permanecer no Santos, só sair se for para a Europa. Claro que não posso falar "não" porque não sabemos o dia de amanhã", avisou o jogador de 24 anos, que tem multa de 60 milhões de euros para clubes do exterior.

Lucas Lima, em entrevista, ressaltou a volta por cima dentro do Santos (Foto: Divulgação/Santos FC)

Preterido por Oswaldo

Lucas Lima já fazia parte do elenco santista no Campeonato Paulista do ano passado. Porém, o meia, recém contratado junto ao Internacional de Porto Alegre à época, não teve a oportunidade de ajudar o Peixe como gostaria.

"Ano passado, essa época, nem ia para o jogo. Em um ano mudou muita coisa, estou feliz pelo momento, por essa conquista, também", comentou.

Preterido por Oswaldo de Oliveira nos dois jogos contra o Ituano, que acabaram com a derrota do Santos nos pênaltis e título para o time do interior do Estado de São Paulo, Lucas Lima admite que não engoliu a escolha do ex-técnico, mas refuta qualquer rancor sobre o hoje treinador do Palmeiras, adversário do Santos na grande decisão do Paulista deste ano.

"Eu não joguei. No primeiro eu fui cortado e o segundo nem relacionado. Na época eu não gostei, não. É ruim para o jogador. Infelizmente, não foi bom, mas tenho um carinho grande pelo Oswaldo, que vai ficar fora do campo. Ele vai defender as cores dele e eu as minhas", encerrou.